Música

The Weeknd no halftime show no Super Bowl LV

Cantor do maior hit de 2020, The Weeknd, fez uma apresentação explosiva de cerca de 13 minutos no Super Bowl LV, jogo final do 55º campeonato anual da NFL. Os fogos de artifício e show de luzes acompanharam as músicas do começo ao fim e renderam um belo visual, especialmente para os telespectadores. 

É tradição ter um show do intervalo grandioso, com artistas famosos que reúnem a atenção de fãs de todo o mundo – até mesmo daqueles que não se interessam por futebol americano. Tudo isso, no entanto, precisou ser feito com algumas modificações e restrições para entregar um show inesquecível, com o mínimo de riscos, no contexto da pandemia. Mesmo assim, com todas as probabilidades indo contra o cantor, as apostas dos fãs eram de que seria um show inesquecível e há quem diga que está entre os melhores da história. 

Soluções para garantir a segurança

Sempre foi costume utilizar o campo para a montagem de um palco para o show do intervalo e isso demandava a presença de centenas de membros do staff para ocorrer com a rapidez necessária. Outro costume era permitir a entrada de fãs convidados para se reunirem no campo, ao redor do palco, durante o show. Desta vez, nenhuma dessas tradições foi mantida para evitar aglomerações arriscadas e promover o máximo de segurança.  

A solução encontrada foi a montagem prévia de um palco em um dos cantos do estádio. Para aproveitar esse importante espaço, nos momentos finais do show, a apresentação desceu para o campo, onde aconteceu uma apresentação de dança com direito a show de luzes. 

Destaque para a voz

Diferentemente de alguns shows anteriores, o show feito por The Weeknd teve um foco especial em suas canções e em sua voz. Apesar do palco e do jogo com as luzes ter sido visualmente bonito, foi clara a intenção do artista em dar destaque para o seu talento em detrimento de oferecer experiências visuais – decisão que foi aclamada por algumas pessoas e alvo de críticas para outras. 

De “House of Balloons” até “After Hours”

Ao invés de escolher três ou quatro de suas músicas, The Weeknd cantou trechos de algumas de suas canções mais conhecidas. A tracklist foi composta pelas canções: 

  • Intro de Call Out My Name (2018)
  • Starboy (2016)
  • The Hills (2015)
  • Can’t feel my face (2015)
  • I Feel it Coming (2016)
  • Save Your Tears (2020)
  • Earned It (2015), canção presente na trilha sonora do filme 50 Tons de Cinza e que durante este show ganhou um novo arranjo, com uma maior ênfase nos violinos e no canto coral.
  • House of Balloons/Glass Table Girls (2011)
  • Blinding Lights (2020)

Referências

Ao planejar a apresentação, The Weeknd trabalhou com sua equipe para que em cada detalhe do cenário e das vestimentas dos dançarinos houvesse referências ao seu trabalho. A dedicação foi tanta que o próprio artista investiu cerca de 35 milhões de reais (7 milhões de dólares) do seu próprio bolso para que tudo ficasse conforme imaginou. 

O artista vestiu durante o show uma versão da roupa que utilizou nos clipes de músicas do álbum After Hours, seu mais recente álbum de estúdio. Mas, desta vez,o terno vermelho era assinado pela Givenchy e estava incrustado de cristais. O mesmo terno foi utilizado na capa da recém lançada coletânea “The Highlights”, que abrange os maiores hits da carreira do cantor. 

Já os dançarinos que acompanharam The Weeknd desde o corredor do palco até o campo, estavam com a mesma roupa usada pelo cantor nos clipes do seu último álbum. Além da roupa, estavam com o rosto coberto por ataduras similares às utilizadas no pós-operatório de cirurgias feitas no rosto. Essas ataduras fazem referência às bandagens que o cantor utilizou em eventos de promoção do álbum After Hours, como uma crítica à “cultura das celebridades de Hollywood e das pessoas de realizarem procedimentos cirúrgicos para agradar os outros e serem aceitas”, conforme disse o cantor em entrevista para a The Variety. 

Houveram, também, uma série de referências menos óbvias que os fãs estão criando teorias nas redes sociais sobre quais poderiam ser suas origens exatas. Um exemplo destas eram as palavras que estavam escritas no palco e no corredor que levou o cantor até o campo. Dentre elas estavam “Alone” e “enough”, que significam sozinho e suficiente, respectivamente.

Críticas da plateia ao vivo

As principais críticas sobre a apresentação foram feitas pelos espectadores que estavam no Raymond James Stadium, em Tampa Bay. No total, o estádio recebeu 25.000 fãs, menos da metade do público total de 65.890 que tem estrutura para comportar, para promover uma experiência mais segura e com o devido distanciamento.

A estrutura, o jogo de câmeras e as luzes foram pensadas para oferecer uma apresentação visualmente rica para os telespectadores, muitos dos quais ainda estão mantendo o distanciamento social. Por isso, muitas das pessoas que estavam no show ao vivo afirmaram ter ficado com uma experiência incompleta. 

No final, a melhor experiência ficou para quem assistiu em casa. Os telespectadores puderam presenciar o show do cantor na íntegra e com o máximo de detalhamento, um privilégio incomum em apresentações transmitidas ao vivo que contam com plateia no local. 

[VIDEO] https://www.youtube.com/watch?v=9rhadTURsrw

You cannot copy content of this page