Vida & Saúde

Feliz ano velho: quem disse que não valeu a pena?

Vivemos tempos estranhos nestes últimos dois anos e aprendemos, na marra, a viver “apesar de”.
Contabilidade
Sending
User Review
0 (0 votes)

Ainda em 2020, uma campanha publicitária de uma importante seguradora brasileira me tocou. E olha que não sou daquelas que se comovem fácil. Mas a criação da agência AlmapBBDO, com a linda música “Novo Tempo”, de Ivan Lins, sintetizou um pensamento que acalento desde que a pandemia varreu a nossa rotina para baixo do tapete: estes anos emblemáticos de 2020 e 2021 valeram a pena, sim.

A propaganda mostrava pessoas com “feitos” descritos nas famosas máscaras, que passaram a ser nossa marca-registrada: “tive um filho”; “aprendi violão”, “passei na faculdade” e “me formei” eram algumas das frases ilustrativas. A boa sacada publicitária era justamente o fato de sair do lugar comum, sem enaltecer ideias surradas de que o isolamento serviu para praticarmos autoconhecimento, ficarmos mais juntos com nossas famílias, cultivarmos hortas e tentarmos meditação. A mensagem central é ainda mais singela e, por isso, eficiente: a vida não está nem aí se tem vírus ou não. Ela simplesmente acontece. E passa.

Depois deste quase biênio, para quem acordou todos os dias com saúde e seguiu em frente com todos os “apesar de” – apesar das máscaras; apesar da vontade de abraçar e beijar; apesar da falta de festas e viagens; apesar do álcool gel; apesar dos medidores de temperatura opressivos em formato de pistola; apesar das mesas afastadas; apesar dos tempos sem cinema, teatro, shows e jogos com plateia e apesar do grande medo de que a doença chegasse e fizesse estragos em nossos núcleos – o momento é de, literalmente, respirar aliviado porque o pesadelo parece estar no fim.

Seria ótimo se pudéssemos retroceder dois anos e voltar aos fogos de artifício do 31 de dezembro de 2019, impedindo o “ano novo” de decolar: “esperem aí que está com problema em uma das turbinas, vamos tentar resolver o mais rápido possível para poderem embarcar em segurança”.

Roda viva

Mas lá se vão quase 24 meses e, passado o susto inicial, viveu melhor 2020 e 2021 quem optou por não prender a respiração, tomou fôlego e atravessou as águas turbulentas da pandemia: mesmo nestes tempos estranhos, coisas ruins e boas continuaram acontecendo, como acontecem sempre, desde que o mundo é mundo.

Aprender a celebrar desde as grandes conquistas até aquelas mais simples ajuda a aceitar 2020 e 2021 como anos úteis, que não serviram apenas para frustrar nossos planos, mas que agregaram do jeito que deu. Ao invés de reclamar de tudo o que gostaríamos de ter feito, mas não foi possível, vamos tirar os óculos escuros e dar uma olhadinha na nossa capacidade ímpar de ter emprestado um pouco de normalidade a mais este ano que já está ficando velho, mas que, como todo bom ancião, teve muita sabedoria para transmitir.

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Taxas de câmbio USD: qui, 22 fev.

Advertisement

Advertisement

Categorias

You cannot copy content of this page