Economia

Brasil é um dos mais endividados nos Mercados Emergentes

Sending
User Review
0 (0 votes)
  • A dívida do Brasil em relação ao PIB atinge 82% em 2021 e deve chegar a 90% em 2025
  • Os investidores estão observando a sustentabilidade da dinâmica da dívida do Brasil à medida que a dívida soberana cresce 27,2% entre 2019 e 2021, com previsão de um 8,4% adicional em 2022.
  • Em 2021, os retornos dos títulos globais foram negativos pela quarta vez em 35 anos, mas existem boas oportunidades de investimento em 2022 para investidores seletivos.
  • O “Relatório do Índice de Dívida Soberana 2021 de Janus Henderson” constata que a dívida ME ainda é apenas 15,0% da dívida soberana global ativa.

[Abril de 2022]. De acordo com o “Relatório do Índice de Dívida Soberana 2021 de Janus Henderson”, a dívida soberana ativa do Brasil cresceu 27,2% durante a pandemia. Enquanto a taxa de crescimento da dívida do Brasil foi menor do que em alguns outros países da América Latina – e também abaixo da média de 37,8% nos Mercados Emergentes – o Brasil ainda tem a maior proporção de dívida em relação ao PIB nos ME (com exceção da Argentina).

O país terminou 2021 com um estoque da dívida de 82% do PIB. Espera-se que esta proporção alcance 90% até 2025, um nível muito alto para um país de mercado emergente e que pode fazer com que os investidores se preocupem com a sustentabilidade da dívida do país.

O relatório também ilustra a degradação da dinâmica da dívida per capita: em 2021 o Brasil tinha uma dívida média de US $5.880 por pessoa e prevê-se que este valor aumente para US $6.668 até 2025.

O crescimento da dívida soberana durante a pandemia foi constatado em todo o mundo – mas particularmente nos Mercados Emergentes. Enquanto a maior parte do crescimento nominal da dívida dos ME em 2021 foi impulsionada pela China, que viu um aumento líquido de US$ 650 bilhões em sua dívida soberana e foi o maior salto na dívida nominal de qualquer país no ano passado, a dívida global nos ME cresceu 14,8% no ano passado, em comparação com a média global de 7,8%.

Bethany Payne, gerente de carteira de títulos globais da Janus Henderson, disse: “A pandemia teve um enorme impacto sobre os empréstimos do governo – e as consequências estão destinadas a continuar por algum tempo ainda”. Na América Latina, muitos governos responderam à crise sanitária com políticas fiscais ambiciosas para apoiar suas populações e economias, mas, em alguns casos, esses gastos criarão desafios para a dinâmica da dívida pública nos próximos anos”.

Na América Latina, houve uma grande variação no custo das estratégias econômicas dos governos utilizadas para lidar com a crise econômica e financeira – e, portanto, também no impacto dessas políticas sobre os perfis de dívida soberana da região.  Por exemplo, entre 2019 e 2021, Chile e Colômbia aumentaram seu estoque de títulos soberanos em 46,2% e 42,7%, respectivamente – acima da média nos ME de 37,8% e de 25,3% mundial.

Enquanto isso, a abordagem fiscal conservadora do governo mexicano em relação à pandemia viu aumentar sua dívida em apenas 13,8% entre 2019 e 2021, o que é o menor aumento nos Mercados Emergentes.

A Argentina foi o país que mais se destacou no desempenho da dívida da região – com um aumento de 88,7% na dívida entre 2019 e 2021 e um aumento adicional de 54% previsto para 2022 – mas isto é menos um resultado da resposta pandêmica de seu governo do que uma resposta mais impulsionada por sua combinação única de dívida em dólares americanos e uma moeda rapidamente depreciável. 

Embora seja muito cedo para tirar conclusões sobre a eficácia do aumento da dívida emitida durante a pandemia em relação ao custo futuro de níveis mais elevados de endividamento, o relatório conclui que a forte recuperação econômica global levou a uma melhoria na relação dívida global / PIB para 80,7% em 2021 (comparado com 87,5% em 2020), uma vez que a recuperação da atividade econômica superou o aumento do endividamento.

2022: o ano da divergência

O relatório também constatou que em 2021 os mercados globais de títulos públicos apresentaram um retorno total negativo de -1,9% em 2021, apenas a quarta vez em 35 anos que o índice registrou um declínio. O componente de renda dos retornos dos investidores diminuiu para 1,4% em 2021, o mais baixo de todos os registros, já que as taxas de juros caíram ou permaneceram baixas em todo o mundo. Ao mesmo tempo, os preços dos títulos caíram 3,3% à medida que a inflação crescente cobrou seu preço e os investidores exigiram um rendimento mais alto de seu capital, pois temem a inflação, o que empurra os preços dos títulos para baixo. 

De acordo com Payne, os retornos das obrigações globais verão uma maior divergência em 2022, à medida que os investidores procurarem países cujos bancos centrais estejam sendo pró-ativos no aumento das taxas. Portanto, os investidores devem considerar uma abordagem de gestão ativa e a dívida de muitos países latino-americanos poderia oferecer retornos atraentes, uma vez que os ciclos de subida já estão bem encaminhados na região. Além disso, o recente aumento nos preços das commodities apoiará as economias regionais que são exportadoras de petróleo, gás, metais e bens agrícolas. Finalmente, após muitos anos de fraco crescimento econômico, muitas carteiras de investidores internacionais encontram-se em underweight a respeito da dívida soberana latino-americana, o que poderia acrescentar um fator técnico de demanda nos próximos anos. 

“Durante os primeiros anos da pandemia, o grande assunto foi como os mercados de títulos do mundo convergiram. Agora, o assunto é divergência e, à medida que o desempenho varia mais amplamente, será importante selecionar geografias específicas e até mesmo países individuais para garantir bons retornos de carteira. Isto favorece uma estratégia ativa”, disse Payne. 

Payne acredita que, apesar dos retornos negativos em 2021, os investidores não devem se afastar da classe de ativos: “Quando a inflação e as taxas de juros estão aumentando, é fácil descartar a renda fixa como uma classe de ativos, particularmente porque as avaliações dos títulos são relativamente altas pelos padrões históricos. Mas a valorização de muitas outras classes de ativos é ainda maior e as ponderações dos investidores em relação aos títulos do governo são relativamente baixas, portanto, há um benefício em diversificar. Além disso, os mercados se ajustaram em grande parte às expectativas de inflação mais altas, de modo que os títulos comprados hoje se beneficiam de rendimentos mais altos do que há alguns meses atrás, o que significa que eles têm um valor melhor”.

O Índice de Dívida Soberana Janus Henderson acompanha o endividamento dos governos em todo o mundo e identifica as oportunidades de investimento que isso apresenta.

*Com informações de anus Henderson Group.

Comente

Clique aqui para comentar

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Taxas de câmbio USD: qui, 22 fev.

Advertisement

Advertisement

Categorias

You cannot copy content of this page