Cinema

Cineasta mineiro que trilha carreira em Hollywood

Sending
User Review
0 (0 votes)

O produtor também traz em seu DNA de trabalho histórias com assuntos pouco explorados e que gravitam em torno da diversidade

Radicado há quatro anos em Los Angeles, o cineasta Mateus Hueb, natural de Uberaba (MG), prepara novo trabalho ao lado de Bárbara Marques no documentário Belong, que busca tratar a questão racial sob diferentes perspectivas no Brasil e nos EUA. A obra em que assina como produtor já começou a rodar nos dois países e reúne pessoas comuns e alguns nomes conhecidos como da atriz Elisa Lucinda (Vai na Fé), do diretor Gabriel Martins (Marte Um, filme brasileiro que disputou uma vaga no Oscar 2023) e do ator estadunidense Furly Mac, (intérprete de Christopher Scarver na série Dahmer: Um Canibal Americano), dentre outros ainda não divulgados. 

“É uma honra produzir essa obra que traz a questão racial de uma forma sensível, por meio do olhar de pessoas e culturas diferentes. Nosso objetivo é provocar a audiência a refletir sobre as perspectivas trazidas pelos nossos entrevistados e, quem sabe, contribuir para uma mudança”, deseja Hueb, sobre o filme que deve ser exibido inicialmente a partir de 2024 em festivais internacionais.

No entanto, esta não é a primeira vez que Hueb produz filmes que trazem reflexões sobre questões sociais.  Em 2017, dirigiu seu primeiro curta autoral intitulado PRO,  que teve Monique Evans como protagonista. O filme, que aborda de maneira leve todo o processo que Sarah, personagem de Evans, encara para sair da vida de programa,  rodou festivais em 2018 e 2019 no Brasil e em países como Suíça, Estados Unidos, Nigéria e Reino Unido. No Brasil, foi finalista no  Festival Overcome e levou o prêmio de público de melhor curta LGBT no Festival Take Único.  A obra foi produzida pela Lavanda Films, produtora especializada em temáticas LGBT e questões que envolvem minorias.

“Sou apaixonado por contar histórias e sempre viso à diversidade, então qualquer coisa que não seja explorada com tanta frequência me chama a atenção. Adoro conhecer pessoas e criar projetos em parceria. O cinema é uma arte colaborativa, por isso é sempre muito importante estar rodeado de pessoas com interesses em comum, que tenham assim como eu o objetivo de tocar as pessoas através do cinema e contar histórias significativas, principalmente se for sobre um assunto desconhecido e pouco conhecido”, define.

Sempre ligado ao mundo dos festivais, o mineiro atuou como produtor do Hollywood Brazilian Film Festival, e membro crítico responsável por realizar a curadoria de filmes para festivais nos EUA,  como para o Filmatique Talents.

“O Filmatique  é uma plataforma digital de filmes alternativos e independentes, que geralmente rodaram festivais pelo mundo. Para eles fiz a curadoria do Filmatique Talents, festival digital que escolhe os melhores filmes para adicioná-los à plataforma. Nesse processo assisti a mais de 100 filmes e tive a oportunidade e responsabilidade de entrevistar os diretores dos curtas-metragens selecionados”, revela.

Mateus Hueb já esteve também na equipe de produção do diretor brasileiro Pedro Kos, que com o filme “Onde eu Moro”, teve sua primeira indicação na 94ª edição do Oscar, em 2022 na categoria de melhor curta documental.

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Taxas de câmbio USD: dom, 26 maio.

Advertisement

Advertisement

Categorias

plugins premium WordPress

You cannot copy content of this page