Business

Os piores erros do marketing digital em 2020

Vinícius Taddone lista os 10 piores erros de 2020 para serem evitados em 2021

10 piores erros de 2020

1) Pensar que Marketing é custo
Para as micro e pequenas empresas, assim como profissionais autônomos, muitas vezes o Marketing é visto como custo e vão à contramão dos grandes empreendedores. O que quero dizer é que, é natural numa crise você controlar melhor os seus gastos, mas se você não divulgar, como você quer vender?

A velha frase que cito é: “o que vem primeiro, o ovo ou a galinha?”

Entendo que num momento sensível, o pensamento da maioria fica focado nos resultados de vendas e na equipe comercial, deixando de lado a equipe que trabalha na atração do público. Chega a ser irracionalmente previsível!

Assim como você pensou nisso, outras empresas podem pensar também, e aí reflita, se na dificuldade é hora mesmo de recuar seu investimento em Marketing, ou permanecer com sua comunicação num ambiente com menos concorrência.

2) Esperar um problema para resolver
Apliquei consultoria para algumas empresas que entraram no universo do Marketing Digital apenas agora em 2020, e 100% delas, disseram que já estavam avaliando ter um site melhor, trabalhar com mais profissionalismo as redes sociais, usar WhatsApp para relacionamento e atendimento, ou até mesmo ter um e-commerce. Mas que somente agora com a crise, decidiram tomar uma atitude de sobrevivência.

Isso envolve planejamento e execução de tarefas. Para este tema, existe até uma ferramenta gratuita chamada Trello, onde ensino neste vídeo como utilizar.

Recomendo também que se necessário for, consulte um profissional estrategista empresarial, para definição de metas, planejamento e identificação do público-alvo do seu negócio. Às vezes, numa crise o seu público pode ter mudado.

Portanto, planeje e execute! Não espere que as coisas aconteçam sozinhas, pois o impacto no negócio pode ser devastador. Antecipe o que pode acontecer… Você conhece seu negócio melhor do que ninguém!

3) Não ter InstaShop
O Instagram evoluiu os recursos de sua loja, e trouxe inclusive o ícone do InstaShop para o menu principal da ferramenta.

Entenda através das políticas de uso se sua conta e seu negócio são elegíveis a ter o InstaShop. Utilize esta poderosa ferramenta de vendas que promete expandir ainda mais em 2021. Se necessário, consulte um gestor de mídias sociais para fazer essa configuração para você.

4) Achar que o Facebook morreu
A maioria dos que aqui estão lendo, certeza que pensarão que o Facebook já é coisa do passado.

Vou te dizer porque não morreu. Hoje o Facebook tem perfil de Plataforma Integrativa (Facebook, Instagram, Messenger e WhatsApp).

Ele possui hoje o maior espaço de mídia existente no universo digital, que pode ser configurado através de um único local: no Gerenciador de Negócios.

Eis os espaços de mídia:

Feed de Notícias do Facebook
Vídeos in-stream do Facebook
Marketplace do Facebook
Feeds de vídeo do Facebook
Feed do Instagram
Explorar do Instagram (Pesquisa)
Stories do Facebook
Stories do Instagram
Nativo, banner e intersticial do Audience Network (Aplicativos)
Instant Articles do Facebook (artigos instantâneos)
Resultados de Pesquisa do Facebook
Notou que a maioria dos espaços de mídia é no Face? Notou que ele entra em alguns Apps também?

O Brasil e o mundo é muito grande, pessoal. Vale pensar um pouquinho fora do seu convívio. Às vezes no seu entorno as pessoas não usam mais com tanta frequência, mas não fique limitado a este pensamento, ok?

Vou exemplificar com um cliente nosso, que é uma escola de dentistas: Nós performamos melhor no Facebook, do que no Instagram, e em cidades vizinhas às capitais.

5) Não impulsionar
Esse é o maior erro das mídias sociais. Entenda que as redes sociais hoje são mídias sociais. E por que mídias? Porque são espaços que você tem de pagar para que sua mensagem chegue até sua audiência. Simples assim!

Portanto, contar somente com uso de Hashtags pode ser um tiro n’água.

Reserve um valor mensal que possa utilizar para impulsionar seus posts e anúncios, assim você estará atingindo as pessoas certas.

6) Só olhar para o número de seguidores
Foque na qualidade e não quantidade.

Seguidores é só uma métrica muito legal. Não vou negar! Mas ficar focado nela apenas, pode te frustrar.

Pense nas poucas pessoas que querem te ouvir ou que querem saber sobre você. Você fará a diferença na vida delas. É isso que importa!

Seja paciente, construa sua autoridade com conteúdo relevante.

7) Misturar conteúdos sem identificação com a marca
Mire no seu público-alvo. O que eles querem consumir de você? Fale sobre isso.

Se você publica alguns assuntos pessoais em sua página profissional, busque fazer uma ligação com o negócio antes de publicar. Evite colocar fotos pessoais aleatoriamente pela simples vontade de postar.

Se você tem outros negócios, como um imóvel que quer alugar, por exemplo, não utilize seu perfil profissional, pois a audiência é totalmente desqualificada para este outro produto que quer converter. Só irá confundir seus seguidores.

8) Optar apenas pelo Google Ads ou Instagram
As estratégias são complementares. Se você utiliza apenas uma delas, saiba que uma não substitui a outra.

O Marketing Digital é mais amplo do que imagina. Por exemplo, para uma ação Digital você pode contar com:

Instagram
IGTV
Facebook
LinkedIn
Pinterest
Twitter
Youtube
TikTok
Site ou e-commerce
WhatsApp
Landing Page
Google Ads
e-mail Marketing
Tráfego
Nutrição de Leads
Mídias Programática
Blog
Influenciador Digital
Google Meu Negócio
dentre outras ações e mídias sociais como: Triller, SlideShare, Periscope, Spotify, Telegram, Issu, Twitch, etc…
Cada mídia social, plataforma ou ação acima descrita, entra num determinado momento da Jornada de Compra do Cliente. Se estiver claro para você em qual momento você irá impactar o seu cliente, você conseguirá distribuir seus recursos e ampliar seu alcance.

9) Não utilizar C-commerce
Este termo pode ser novo pra você, mas alguns já utilizam sem saber. Caso você não utiliza ainda, é um erro fatal!

O C-commerce é uma evolução do E-commerce.

C-commerce significa Conversational Commerce e nada mais é do que a utilização de aplicativos de mensagens como WhatsApp e o Messenger para conversão de vendas.

Afinal, o cliente já está interagindo com você naquele instante. Porque não já oferecer o pagamento ali mesmo para ele, sem transferi-lo para outro local de conversão? Pense nisso.

Vou citar a baixo mais algumas variações para sua breve consulta:

E-Commerce: Comércio eletrônico. Site de compras on-line. Varejo.

M-Commerce: Nesta variação de e-commerce, já detectamos que são as comprar oriundas de comércio via dispositivos móveis. Originadas via Smartphones.

C-Commerce: Como explicado acima, são as compras via dispositivos e Apps de mensagens.

S-Commerce: Em ampla expansão com o InstaShop, são as compras realizadas nas Mídias Sociais.

T-Commerce: São as compras realizadas pela TV Digital. (hoje em dia compras de filmes e conteúdos esportivos ou adultos, mas há muito o que crescer ainda).

Conhecia estes termos?

10) Não fazer LIVES
As LIVES vieram para ficar.

No início da crise veio uma enxurrada de LIVES, você certamente percebeu isso, mas é uma realidade. Muitos deixarão de fazer, e aí entrará um erro a ser evitado.

Se você faz LIVES continue. Se nunca fez, tem que perder a timidez e fazer.

Quando você se mostra para sua audiência você tem visibilidade e conquista credibilidade. Você, seu negócio e seus produtos se tornam parte de um todo. Você será a celebridade do seu negócio.

Nada impede de você ter um colaborador para fazer este papel, mas que tenha identificação com a marca, pois sua audiência vai querer vê-lo andando pelos corredores da sua empresa.

Você poderá explicar detalhadamente situações que seus posts não estejam conseguindo sanar. Pode inclusive vender numa LIVE. Acredite no seu potencial!

*Por Vinícius Taddone, CEO e estrategista

You cannot copy content of this page