Foto: Prostooleh/Freepik
Nilson Lattari

O gosto das mães

Sending
User Review
0 (0 votes)

Crônica por Nilson Lattari

A gente sente o gosto das mães antes mesmo de conhecê-las, quando suas mãos acariciam o rosto adormecido do filho esperando a hora de encontrar com ela. A mãe da gente nos conhece sem nem mesmo conhecer o rosto que toma forma dentro de si.

A gente nem sabe o nome delas, mas reconhece a sua voz antes da imagem, porque mãe tem uma linguagem própria, e mesmo de olhos ainda fechados sabemos, com certeza, que tem uma mãe ali do lado.

A gente conhece o olhar da mãe antes mesmo de chegar em casa, depois do fracasso ou da estrepolia na escola. A gente já chega cabisbaixo porque o olhar da mãe já está gravado, justo e registrado. É um ente que ameaça chuvas e tempestades, mas como ele a natureza agradece a feliz chegada.

A gente sente a mão da mãe quando nos abraça e deixa no rosto o alento, até quando estamos a sós e as lembranças, os cheiros e os carinhos nos refrescam. É uma amante que deixamos em casa, mesmo que muitas outras amantes nos encantem.

A gente quando chega em casa o olhar é de perguntas, mesmo antes da voz fazê-la. Parece uma bruxa adivinha que vê nos nossos olhos e no rosto, exatamente, o acontecido. As perguntas? Bem, as perguntas são só praxe. E até quando queremos contar uma novidade boa o seu olhar se abre como se a esperasse. Já pressentia quando conversava com a mãe celeste por onde andava o filho errático.

A gente não escolhe a mãe da gente. Nem mesmo ela nos escolhe. Alguns até prefeririam escolher a mãe, mas uma mãe decepcionada jamais escolheria outro filho, só para consertar toda a história dele.

A gente não mexe com mãe que cuida do seu canto e dos seus rebentos. Ninguém toca em uma leoa guardando os seus. Mãe é loba, mãe é guerreira, mãe é sempre mãe, mesmo para aqueles que a ameaçam. Todo mundo tem uma mãe, todo mundo tem uma lembrança ou uma história dela para contar. Ela não é nossa primeira namorada porque mãe é coisa sagrada e ninguém pode tocar.

A gente não deve deixar a mãe ir embora, e muito menos ir embora dela. Ela é um ímã que nos atrai e é o grito do prisioneiro que a chama como último apelo ao verdugo e ao inimigo. Porque até eles têm mãe, só que esqueceram dela.

A gente, algumas vezes, acha que as mães não choram quando veem a decepção que a gente causa. É porque as lágrimas são importantes, elas são guardadas para os momentos das nossas vitórias. A esperança é a mãe de todas as coisas, e a última esquecida na caixa de Pandora. Se todo o mal do mundo aparece, ela, a esperança, como a última mãe, pode ser o refresco para o mundo.

A gente olha para mãe e vê uma santa, um ser especial, alguém que é capaz de se comunicar com o Divino e pedir por nós. Muitas coisas assim caem no esquecimento. Vivemos a vida até que um dia não voltaremos a ver mais seu olhar a nossa espera.

A gente sempre acha que as mães serão eternas, e que sempre serão o último alento. Esquecemos que as mães sofrem porque existe, dentro delas, uma mulher por dentro.

Comente

Clique aqui para comentar

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Taxas de câmbio USD: qua, 19 jun.

Advertisement

Advertisement

Categorias

You cannot copy content of this page