Música

Mercado de música no pós-pandemia

Sending
User Review
0 (0 votes)

Vice-Presidente Sênior e COO da Sony Music Brasil, Wilson Lannes, faz uma reflexão sobre o momento atual e os próximos passos da indústria musical e da própria gravadora

Diversos segmentos precisaram se reinventar no Brasil e no mundo diante dos desafios da pandemia de Covid-19. No mercado da música, sem a possibilidade de realizar shows presenciais, houve um boom de lives e o crescimento das plataformas de streamings de áudio e vídeo.

Porém, diferentemente de outras áreas, que sofreram uma retração, a música esteve muito presente no dia a dia de quarentena e isolamento social dos brasileiros. Dados especializados no Brasil liberados em março pela associação “Pro-Música”- filiada e representante nacional da Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI) – mostram que o mercado fonográfico no país teve crescimento de 32%, quando comparado ao ano anterior, mantendo resultados ascendentes pelo sexto ano consecutivo e alcançando receita de R$ 2,1 bilhões em 2021.

Mantendo também o posicionamento entre os principais mercados do mundo, o Brasil permaneceu na 11ª posição no ranking mundial, repetindo a mesma colocação de 2020. Além disso, o mercado brasileiro cresceu 34,2% atingindo R$ 1,8 bilhão, sem considerar as receitas de shows e execução pública. As receitas globais de músicas gravadas também subiram 18,5% no ano passado, impulsionadas por um aumento no número de usuários de serviços pagos de streaming, e a tendência é que continuem crescendo.

“Os dados mostram que o mercado de música gravada não sofreu grandes impactos por causa da pandemia, pelo contrário, ele continuou a crescer. E o período ainda foi marcado por novos estilos musicais, como a ‘pisadinha’, por exemplo”, comenta Wilson Lannes, vice-presidente sênior e COO da Sony Music Brasil.

Agora, com o avanço da vacinação e flexibilização do uso de máscaras no País, a vida vai voltando ao normal. Mas será que a indústria musical vai retornar completamente ao cenário de antes? 

O Lollapalooza realizado em março e outros grandes festivais confirmados para 2022, como o Rock in Rio, além do retorno das turnês dos artistas apontam para esta direção. Depois de dois anos sem eventos, o mercado de entretenimento indica aquecimento.

Nestes dois últimos anos de pandemia, a Sony Music seguiu com foco total no digital, encontrando o ambiente ideal para entregar ainda mais conteúdos exclusivos. “Fomos muito além do que já fazíamos ao expandir a comunicação dos nossos artistas com seus respectivos públicos, além de manter, por meio de projetos diferenciados, parcerias com grandes marcas”, completa Wilson Lannes.

A companhia também focou em evoluir ainda mais a sua área de Business Intelligence, para oferecer a toda a empresa informações estratégicas sobre comportamento da audiência nas plataformas e tornar mais assertivas as tomadas de decisões, inclusive de contratação de novos artistas e de criação de conteúdo para alavancar market share.

Frente aos novos desafios da pandemia, tornou-se necessária a criação de uma estratégia de conteúdo de mais volume e recorrência e para isso a companhia criou uma série de ações especiais online, além de projetos inéditos como a Casa Filtr – criada com a missão de unir talentos de diferentes gêneros musicais em formato collab – cuja terceira edição já está sendo produzida. 

Também vale citar outros exemplos, como o “Studio F” – performances musicais em produções minimalistas de artistas em estúdio, apoiadas na força do repertório. Entre os talentos que se apresentaram neste formato estão Priscilla Alcantara (com Boyzinho), Konai, Mariah Nala e o mais recente lançamento, Carol Conká (com Louca e Sagaz). Outro exemplo são os “Dance Video” – onde dançarinos e influenciadores criam performances dançantes de músicas de sucesso. Estes e outros conteúdos exclusivos são encontrados no canal Filtr Brasil no YouTube.

Para 2022, a Sony Music promete continuar inovando com a criação de novos projetos especiais que unem artistas e marcas. Uma dessas inovações é o lançamento do pilar de Conteúdos Originais (Original Content). 

“O pilar de conteúdos originais será um braço da área de Business Development (BD) da Sony e vai criar projetos audiovisuais para contar histórias dos nossos artistas por meio de séries documentais, longas e outras novidades”, finaliza o vice-presidente sênior e COO Wilson Lannes.   

Sobre a Sony Music

A Sony Music Entertainment é uma companhia global de música com vasta gama de artistas locais e grandes estrelas internacionais. A empresa possui um grandioso catálogo que inclui algumas das gravações mais importantes da história. É a casa de gravadoras que representam música de todos os gêneros, incluindo Arista Nashville, Beach Street Records, Black Butter Records, BPG Music, Bystorm Entertainment, Century Media, Columbia Nashville, Columbia Records, Day 1, Descendant Records, Disruptor Records, Epic Records, Essential Records, Essential Worship, Flying Buddha, Fo Yo Soul Recordings, House of Iona Records, Insanity Records, Kemosabe Records, Latium Entertainment, Legacy Recordings, Louder Than Life, Masterworks, Masterworks Broadway, OKeh, Polo Ground Music, Portrait, RCA Inspiration, RCA Nashville, RCA Records, Relentless Records, Reunion Records, Sony Classical, Sony Music Latin, Star Time International, Syco Music, Vested in Culture e Volcano. Presente em mais de 40 países, a Sony Music Entertainment é uma subsidiária integral da Sony Corporation of America, com matriz na cidade de Nova Iorque. No Brasil, nossa sede encontra-se no Rio de Janeiro.

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

CurrencyRate

Advertisement

Advertisement

You cannot copy content of this page
X
X