Nilson Lattari

Agnotologia

Contabilidade
Sending
User Review
0 (0 votes)

Por Nilson Lattari

O nome é estranho, o termo é de autoria do Prof. da Universidade de Stanford, Robert Proctor. E foi escolhido para o estudo da produção política e cultural da ignorância. Coisa legal, não é mesmo?

E no final o que vem a ser isto? Interessante, estudar a ignorância e seus valores. Sim, valores, porque se alguma coisa acontece alguém está ganhando com isso. E, com certeza, não são os ignorantes, mas aqueles que não ignoram a importância de algumas situações no mundo para tirar vantagem. E, no caso, dos ignorantes.

Os ignorantes têm duas facetas: a questão da agnosis, ou seja, não saber, desconhecer, porque simplesmente não tem como explicar, e a questão dos ignorantes, não no sentido de não saber ou desconhecer, que fazem disso uma forma de vida, de ser um ignorante, comportar-se como tal. Em resumo, o sujeito ignorante que ignora e o sujeito que é ignorante agem como e também ignoram o que o outro pensa. Nesse caso, o que se comporta como ignorante diz apenas que é direto no falar e no dizer. O que me lembra o fato de que excesso de franqueza é… ignorância ou, simplesmente, falta de educação.

Enfim, a ignorância hoje é uma maré alta que resolveu chegar na nossa praia e fazer a farofada que quiser na areia, pouco se importando se incomoda ou não. Perde a vergonha e se assume.

Eu diria que existe uma ignorância intelectualizada. Que é a ignorância do sujeito que pouco se importa com o que está nos livros, até porque não tem a menor ideia sobre qualquer assunto ou não quer perder seu tempo com leituras enfadonhas. A ignorância, simplesmente, tira do seu sovaco as suas reflexões sobre o mundo e ignora, solenemente, o que os outros pensam: são ignorantes demais para compreender a própria ignorância.

O problema da ignorância é a ostentação, é um prazer imenso de se mostrar um ignorante. E se contenta com outros ignorantes que o cercam e vivem em uma bolha que ignora o resto da humanidade. Todos estão errados, eles estão certos.

O ignorante não ignora o argumento, porque ele é o argumento em si mesmo. Porque acredita que a ignorância está no outro e não nele.

A ignorância, hoje, nada tem a ver com a burrice (que os burros, no caso, os animais, me perdoem e, por favor, ignorem). Porque a burrice é uma ignorância que tem conserto, basta colocar o conhecimento e o burro vai parar de ignorar. Talvez haja uma dificuldade de aprendizagem. Mas isso não faz do burro um ignorante. O burro consegue evoluir e deixar de ser burro.

O ignorante, pelo fato de ignorar, sabe, exatamente, o que está fazendo. O importante é marcar um ponto de vista e tudo que está à direita e, por que não, à esquerda não existe. É, solenemente, ignorado.

Antes camuflada, a ignorância mostra a sua cara e se espalha pelo mundo, ou melhor, aparece para o mundo. É uma guerra perdida, desleal e única, porque ao final de tudo todos perderão, inclusive os ignorantes. Mas, pela sua própria característica, ignoram isso. 

Comente

Clique aqui para comentar

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Taxas de câmbio USD: sex, 24 maio.

Advertisement

Advertisement

Categorias

plugins premium WordPress

You cannot copy content of this page