News

ACNUR pede o fim do conflito no Sudão após 100 dias

Contabilidade
Sending
User Review
0 (0 votes)

Mais de 740.000 refugiados, incluindo um número crescente de retornados, deixaram o Sudão e chegaram a condições angustiantes nos países vizinhos

À medida que o conflito no Sudão entra em seu 100º dia, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR)  está pedindo o fim dos combates, em meio a sérias preocupações com o rápido aumento do número de pessoas deslocadas que partem em busca de segurança. 

Mais de 740.000 refugiados, incluindo um número crescente de retornados, deixaram o Sudão e chegaram a condições angustiantes nos países vizinhos, incluindo Chade, República Centro-Africana, Egito, Etiópia e Sudão do Sul. Além disso, mais de 185.000 refugiados hospedados pelo Sudão foram forçados a se mudar para áreas mais seguras dentro do país, ficando presos em um ciclo incessante de deslocamento. 

A escalada do conflito em Cartum e nas regiões de Darfur e Kordofan desencadeou um deslocamento interno maciço, resultando em vítimas e mortes de civis. Relatos perturbadores de graves violações dos direitos humanos, incluindo violência sexual e outros riscos de proteção durante o deslocamento, também estão aumentando. Estamos particularmente alarmados com uma grave crise de saúde e nutrição que se desenrola no Estado do Nilo Branco, no Sudão, onde as equipes do ACNUR no local relatam que cerca de 300 crianças refugiadas do Sudão do Sul morreram por suspeita de sarampo e desnutrição desde o início do conflito. Se os combates persistirem, tememos que esses números continuem a aumentar em um ritmo ainda mais alarmante. 

“Esses números são alarmantes. Civis que não têm nada a ver com esse conflito são, infelizmente, arrancados de suas casas e de seus meios de subsistência diariamente”, disse Filippo Grandi, Alto Comissário da ONU para Refugiados. “Isso tem que parar. Chegou a hora de todas as partes envolvidas no conflito encerrarem imediatamente essa guerra trágica. Enquanto se aguarda esse diálogo pacífico tão necessário, as pessoas devem ter permissão para deixar as áreas de conflito em busca de segurança, seja dentro ou fora do país, e devem ser protegidas de todas as formas de violência.” 

À medida que mais pessoas continuam a deixar suas casas, os locais de deslocamento dentro do país e nos países vizinhos estão rapidamente ficando superlotados. 

A estação chuvosa também está em pleno andamento, agravando ainda mais o sofrimento das pessoas e complicando a logística de realocação dos refugiados das áreas de fronteira. O aumento do preço dos alimentos e dos combustíveis está agravando as dificuldades de famílias e indivíduos já vulneráveis, enquanto as interrupções na cadeia de suprimentos e as altas taxas de inflação estão aumentando o custo da prestação de assistência humanitária. 

O ACNUR está fazendo tudo o que está ao seu alcance para fornecer assistência vital onde quer que tenhamos acesso. Juntamente com os parceiros, estamos fornecendo refeições quentes, água potável, assistência médica e itens essenciais de socorro e abrigo para os recém-deslocados no Sudão e nos países vizinhos. O ACNUR também está fornecendo proteção essencial, incluindo serviços especializados para crianças refugiadas, sobreviventes de violência de gênero, apoio psicossocial e cuidados de saúde mental para ajudar as famílias a se recuperarem de traumas. 

Apesar da urgência da crise, o financiamento tem sido escasso. Dos US$ 566 milhões solicitados pelo ACNUR e por outros parceiros para o Plano Regional de Resposta aos Refugiados (RRP) para prestar assistência nos países vizinhos ao Sudão, apenas cerca de um quarto (24%) foi recebido. A resposta entre agências dentro do Sudão tem apenas 23% de financiamento. 

O ACNUR apela urgentemente por mais apoio dos doadores para poder ajudar e proteger as populações afetadas por conflitos. Também reiteramos nossos pedidos de acesso seguro para os trabalhadores humanitários, para que a ajuda que salva vidas possa chegar a todas as pessoas que precisam desesperadamente dela. 

Desde o início dos combates no Sudão, em abril, mais de 3,3 milhões de pessoas foram deslocadas dentro do país e através das fronteiras. O ACNUR é grato aos países vizinhos por manterem suas fronteiras abertas para as pessoas que fogem do conflito. Continuamos a pedir a todos os Estados que removam quaisquer impedimentos à entrada de civis que deixam o Sudão – incluindo indivíduos sem documentos – para que as pessoas possam ter acesso à segurança, proteção e assistência. 

Antes da crise, o Sudão abrigava 1,1 milhão de refugiados, principalmente do Sudão do Sul, da Eritreia e da Etiópia. Cerca de 4 milhões de pessoas também foram deslocadas internamente em todo o país. 

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Taxas de câmbio USD: qua, 22 maio.

Advertisement

Advertisement

Categorias

plugins premium WordPress

You cannot copy content of this page