Wal Reis

A miopia do amor à primeira vista

Sending
User Review
0 (0 votes)

Não. Ninguém ama à primeira vista. 

À primeira vista você repara nos sapatos, no sorriso, na bunda. Nota se a pessoa come de boca aberta, palita os dentes ou chama o garçom por psiu. À primeira vista descobrimos sofrência na playlist, se os verbos são conjugados corretamente ou se ali está um motorista que dirige pelo acostamento. Talvez seja possível odiar à primeira vista.

Amar exige conhecimento de causa. Detectar nas entrelinhas as miudezas que provocam admiração. 

Só com um mínimo de convivência a gente encontra o amor. Notamos gestos de gentileza apenas evidentes quando o outro não sabe que está sendo observado. Quando baixa a guarda, o personagem sai de cena e o ator mostra quem é na vida real. 

Vamos percebendo amor quando a pessoa nos ouve olhando nos olhos. Ri das mesmas piadas tontas que nos fazem rir também. Usa o guarda-chuva arqueado em nossa direção. Prefere ir a pé para ficar mais tempo junto. E aí sim, quando cai a ficha de que você faria o mesmo, olhando no fundo da trilha, o amor está se avizinhando. 

À primeira vista não dá para saber se vão encaixar dormindo de conchinha, se ele gosta de comida agridoce ou trocaria uma viagem exótica para o Marrocos para passar o réveillon em uma praia lotada do litoral paulista, abusando da pieguice e pulando sete ondas de mãos dadas.

Difícil amar à primeira vista: necessita de tempo para correr uma meia maratona juntos, nem que seja para carregar o desfibrilador . É necessário passar, pelo menos, um inverno para dividir a manta pequena no sofá desconfortável e entender que a prioridade não é mais o seu frio. 

Quando a gente já coleciona o gestual do outro de memória, passa a falar em linguagem tatibitate e abre primeiro a mensagem da pessoa em detrimento do WhatsApp do chefe e até da mãe, aí sim você entende que o amor, bem nascido como é, não faz como os parentes do interior, que chegam e depois avisam. Ele espera você olhá-lo nos olhos e reconhecê-lo para depois se instalar como se a casa sempre tivesse sido dele. 

You cannot copy content of this page
X