Cortinas em linho e venezianas retráteis protegem o projeto da casa da incidência de raios solares. Tecidos naturais como o linho também nos revestimentos das almofadas. Muita vegetação no terreno e plantas nos vasos. Arquitetura e Interior Design Myrna Porcaro. Foto: Daniel Mansur
Decor Myrna Porcaro

Verão, biofilia e decoração

Por Myrna Porcaro é Interior Designer na Flórida onde assina diversos projetos residenciais. Para conhecer mais seu trabalho, visite o site myrnaporcaro.com ou Instagram @myrnagondimporcaro
Sending
User Review
0 (0 votes)

O verão chegou e com força! É hora, portanto, de aproveitar ao máximo os próximos meses de sol e as altas temperaturas. Sinónimo de férias, para muitos, o verão é também a estação ideal para dar cuidados extra à casa, que muitas vezes não está preparada para receber a mais quente estação do ano. Vamos falar então como é possível preparar a casa para o verão. E não é possível falar da relação Design X Natureza sem falar de Biofilia.

E precisamos entender o que é Biofilia, o design biofílico deve ser usado para incorporar materiais naturais do meio ambiente nos espaços internos de um imóvel. Além de uma tendência já é quase uma ciência que domina os melhores projetos mundo afora. Residenciais, coorporativos e até industriais. A Biofilia procura trazer a natureza para o Design de Interiores.

O design de interiores começa com a experiência humana. Considerando as necessidades físicas, mentais e emocionais das pessoas, os designers de interiores usam abordagens centradas no ser humano para abordar como vivemos hoje. Criando novas abordagens para promover saúde, segurança e bem-estar, os interiores contemporâneos são cada vez mais inspirados pela biofilia como sempre deveria ter sido. Sempre digo que o bem estar do homem depende do sucesso do Design de Interiores em seus abrigos.

Um pedaço de raiz descartado de forma escultural mesa dessa varanda de apartamento. Interior Design Myrna Porcaro. Foto: Jomar Bragança

Por definição, o design de interiores abrange diversos aspectos do nosso ambiente. A disciplina se estende a materiais de construção e acabamentos; trabalho de escritório, móveis, móveis e equipamentos; iluminação; acústica; sinalização; ergonomia e antropometria; e comportamento ambiental humano. Centrando-se na experiência, a biofilia influencia os elementos físicos e sensoriais do momento a momento encontrados nos interiores. Isso afeta nossas emoções, saúde e sentimento geral. Mas o que é biofilia e como ela se conecta ao design?

Biofilia é a ideia de que os seres humanos possuem uma tendência inata de buscar conexões com a natureza. O termo se traduz em ‘amor pelas coisas vivas’ em grego antigo (philia = o amor de / inclinação para), e foi usado pelo psicanalista americano nascido na Alemanha Erich Fromm em The Anatomy of Human Destructiveness (1973), que descreveu a biofilia como “o amor apaixonado pela vida e por tudo o que é vivo.” O termo foi usado posteriormente pelo biólogo americano Edward O. Wilson em seu trabalho Biophilia (1984), que propôs que a tendência dos humanos de se concentrar e se afiliar à natureza e outras formas de vida tem, em parte, uma base genética.

Nessa varanda gourmet a integração é total entre o Interior, o deck e os jardins. Os revestimentos evocam os princípios biofílicos: Madeira natural no forro, moveis e deck, pedras naturais nos pisos, bancadas e nas paredes. Arquitetura e Interior Design Myrna Porcaro. Foto: Daniel Mansur.

Wilson também introduziu uma ética de conservação baseada em múltiplas dimensões da relação inata que os humanos compartilham com a natureza. Sua noção de administração ambiental baseou-se em vários conceitos, incluindo a dependência prática dos humanos da natureza; a satisfação derivada da interação direta com a natureza; o apelo físico da natureza, evidente em seu papel de fonte de inspiração e paz; e o apego humano à natureza na forma de conexões emocionais com paisagens e espaços. O princípio fundamental da Biofilia é conectar os humanos com a natureza e, como resultado, melhorar o bem-estar.

No design, trazemos características do mundo natural para os espaços construídos, como água, vegetação e luz natural, ou elementos como madeira e pedra. Incentivar o uso de sistemas e processos naturais no design permite a exposição à natureza e, por sua vez, essas abordagens de design melhoram a saúde e o bem-estar. Há uma série de possíveis benefícios, incluindo redução da variabilidade da frequência cardíaca e pulsação, diminuição da pressão arterial e aumento da atividade em nosso sistema nervoso, para citar alguns.

Interior Design Myrna Porcaro. Foto: Daniel Mansur

Com o tempo, nossas conexões com o mundo natural divergiram paralelamente aos desenvolvimentos tecnológicos. Os avanços nos séculos 19 e 20 mudaram fundamentalmente a forma como as pessoas interagem com a natureza. Protegidos dos elementos, passávamos cada vez mais tempo dentro de casa. Hoje, a maioria das pessoas passa quase 80-90% do tempo dentro de casa, movendo-se entre suas casas e locais de trabalho. À medida que os designers de interiores adotam a biofilia, eles criam espaços que reduzem o estresse e melhoram a função cognitiva e a criatividade. Utilizando abordagens biofílicas em interiores, eles podem usar formas e formas botânicas, bem como criar relações visuais distintas com a natureza. Ao fazer isso, entendemos que a biofilia consiste em diferentes camadas naturais que ecoam o design de interiores.

Explorados através dos 14 Padrões de Design Biofílico de Terrapin, podemos ver como essas camadas abordam questões universais de saúde e bem-estar humanos. Eles incluem a natureza no espaço, análogos naturais e, mais amplamente, a própria natureza do espaço. Os padrões vão desde conexões visuais, estímulos sensoriais não rítmicos, temperatura e fluxo de ar, até iluminação dinâmica e presença de água. Eles podem ser entendidos em termos de experiência direta (luz, ar, clima), experiência indireta (materiais naturais, evocando a natureza) e experiência de espaço e lugar (perspectiva e refúgio, mistério e risco).

Essa sala é a prova de quanto a natureza pode estar presente nos nossos interiores. Bambus revestem as paredes, formam as cadeiras e dão sequência a parede verde do espaço. O piso é em madeira e os tapetes e tecidos são todos em Fibra Natural. Toda iluminação em led em sua maior parte indireta. Interior Design Myrna Porcaro. Foto: Daniel Mansur

Estabelecendo experiências multissensoriais, podemos projetar interiores que ressoam em todas as idades e dados demográficos. Esses espaços nos conectam à natureza como uma forma comprovada de nos inspirar, aumentar nossa produtividade e criar maior bem-estar. Além desses benefícios, ao reduzir o estresse e aumentar a criatividade, também podemos acelerar a cura. Em nossas cidades cada vez mais urbanizadas, a biofilia defende uma abordagem mais humanista do design. O resultado são interiores biofílicos que celebram como vivemos, trabalhamos e aprendemos com a natureza.

E de volta à estação do verão concluímos o quanto a relação natureza com a casa, o externo com o interno pode e deve ser bem explorado. Ainda não se sabe ao certo o quão preciso é esse impacto para nós os homens que vivemos nesses imóveis. Mas com certeza já é um movimento irreversível.

Podem ser apenas cuidados “cosméticos”, como algumas alterações na decoração, ou cuidados mais profundos, como manutenção ou mesmo obras. Seja numa casa ou num apartamento, ter a casa pronta para o verão pode parecer uma tarefa incómoda ou até desnecessária, mas não é! Com os preços da energia subindo todos os dias, melhorar a eficiência energética da habitação deve estar no topo das tuas prioridades.

Estas soluções ainda primam no quesito sustentabilidade, economizando energia e garantindo o conforto térmico do ambiente. Mas quais seriam estas estratégias? A seguir, enumeramos algumas delas para você:

1. Invista em plantas

As plantas contribuem para o aumento da umidade, o que consequentemente deixa o ambiente mais fresquinho. No entanto, opte por espécies de grandes folhas, como lírios e jiboias. Além de serem plantas mais fáceis de cuidar, elas também garantem a sensação de acolhimento. As plantas são ótimas opções para ajudar a refrescar a casa. Não precisa montar uma autêntica selva, mas ter por perto um pouco de verde é meio caminho andado para dar um ar fresco à casa. Se acha que não tem “dedo verde”, aposte em suculentas. São bonitas, não requerem grandes cuidados e podem ser usadas tanto no interior ou no exterior.

2. Deixe o ar circular

Invista na ventilação natural dos espaços, deixando janelas e portas abertas, por exemplo. Digo que as cortinas vestem as casas e devem ser escolhidas minuciosamente para serem eficientes e belas ao mesmo tempo. Se manter as cortinas fechadas não for uma opção, você pode optar por instalar uma película refletiva na janela. Esse tipo de película impede que os raios solares penetrem no ambiente e, por isso, mantém a casa mais fresca.

3. Adapte a decoração ao clima

Troque capas de almofadas por outras com estampas que remetam ao verão e feitas com tecidos 100% algodão, traga adornos de materiais naturais como cerâmicas e troque colcha e roupa de cama por outras de tecidos mais leves. Adornos de cerâmicas a matérias-primas naturais deixam o décor mais leve. Está na hora de guardar as mantas, os tapetes grossos e as cortinas pesadas. O verão pede roupas leves, para você e também para a casa. Aposta em tecidos como o linho ou o algodão, e em tons claros.

4. Preste atenção nos tapetes

Modelos de tapetes com fibras naturais deixam a casa mais fresquinha e ajudam a adaptar a decoração para o clima quente. Portanto, vale guardar os modelos felpudos, ótimos para o inverno, e tirar do armário os com fibras naturais. Tapetes de fibras naturais deixam o ambiente mais fresco.

Interior Design Myrna Porcaro. Foto: Daniel Mansur.

5. Priorize a iluminação natural e use lâmpadas led na iluminação

Além de gerar uma economia de energia, as lâmpadas LED também são ótimas para ajudar a controlar o calor da sua residência. Isso porque as lâmpadas convencionais costumam esquentar muito para conseguir produzir luz.

Com o calor aumenta o uso do ar condicionado e com isso o consumo elétrico. A solução pode estar na própria energia solar, que pode ser utilizada para diminuir os gastos com a conta de luz. A energia solar é uma alternativa renovável, limpa e sustentável, já que não exige desmatamento de grandes áreas, não polui e não faz barulho. Além disso, a instalação de um sistema de captação e conversão de energia solar em energia elétrica é simples e rápida e os dispositivos requerem manutenção mínima.

Durante o verão, a produção de energia ainda é favorecida pelas características da própria estação. E você pode até ter uma geração de energia superior ao seu nível de consumo, ganhando créditos para aproveitá-lá depois.

Comente

Clique aqui para comentar

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Taxas de câmbio USD: seg, 17 jun.

Advertisement

Advertisement

Categorias

You cannot copy content of this page