Katia Silva promove vários artistas brasileiros em sua loja em Midtowm Miami
Decor Entrevistas

Sofisticação do design brasileiro

Sending
User Review
0 (0 votes)

Quando encontramos empresários que valorizam de verdade o trabalho de artistas brasileiros, não só devemos destacar mas aplaudir e torcer pelo sucesso desta empresa. Um desses belos exemplos de empreendedorismo e apoio aos artistas vem da Saccaro, tradicional loja brasileira de móveis finos com filial em Miami, uma vitrine do trabalho de vários designers e artistas brasileiros. A loja faz parcerias com designers independentes e lança coleções desenhadas com exclusividade. Basta entrar na Saccaro em Midtown Miami, que você percebe o bom gosto e requinte do brasileiro. Apoiar instituições e o trabalho desses artistas faz parte do lema do casal Luis e Katia Silva, proprietários da Saccaro. A designer paulistana fala um pouco sobre o seu trabalho e a vida em Miami nessa entrevista para a Acontece Magazine. Confira.
Katia, como foi o surgimento da Saccaro em Midtown Miami?
Inauguramos a loja em 2011 e desde então percebemos uma transformação muito grande nesta área, principalmente na North Miami Avenue. A localização da loja é perfeita, pois Midtown está crescendo muito devido às feiras de arte durante o Art Basel, com bares e restaurantes atraindo clientes de qualidade. Além disso, estamos entre Wynwood, reduto dos artistas e barzinhos descolados, e o Design District, que se transformou em um Fashion District de grifes europeias e restaurantes renomados.
Vocês são brasileiros e resolveram viver e investir na loja em Miami. Foi um desafio montar uma loja desse porte em outro país?
Encaro os desafios como motivação para o crescimento pessoal e profissional. É muito fácil se adaptar, pois Miami é uma cidade com muita influência latina, cuja cultura é muito semelhante à nossa.
Qual o perfil do cliente da Saccaro Miami?
Eu diria que o cliente da Saccaro é apreciador de um bom design e de artes de forma geral.
Como é a relação da Saccaro com arquitetos e decoradores brasileiros?
Hoje, mais do que nunca, os brasileiros estão comprando imóveis em Miami, seja para investimento ou simplesmente como casa de veraneio. Para a comodidade dos profissionais, a Saccaro conta com uma rede de mais de 35 lojas no Brasil, onde os decoradores de interiores e arquitetos podem utilizar o showroom de sua cidade para especificar um projeto em Miami.
A Saccaro está envolvida em eventos culturais e sociais, principalmente aqui na Flórida. Isso é uma tradição da empresa?
A Saccaro é uma empresa que apoia práticas ambientais e sociais. Sempre quis ajudar entidades filantrópicas de maneira significativa, mas nunca tive a oportunidade de conhecer algo que tocasse o meu coração. Mas neste ano fiquei conhecendo o projeto Arte que Salva, através de minha amiga Carmem Gusmão. Eles precisavam de um espaço para fazer o leilão beneficente e foi assim que nasceu a ideia de apoiar artistas brasileiros em ações combinadas com instituições de caridade.
Você é gerente do showroom e diretora de marketing da Saccaro. Como é o seu dia-a-dia na empresa?
Meu marido e sócio, Luiz Silva, gerencia nosso centro de distribuição e eu gerencio a loja em Midtown e futuramente a nossa nova loja Factory Store em Doral. Sempre tomamos todas as decisões juntos, sobre todos os assuntos. Nossas tarefas do “dia-a-dia” não têm rotina, nem saberia como enumerá-las.
O que você mais gosta na cidade que escolheu para viver e trabalhar?
Adoro estar em contato com a natureza. Gosto muito de ir à praia para recarregar as energias e visitar os parques da cidade, como o Fairchild Tropical Botanic Garden.
Além da factory store, quais os próximos planos da Saccaro nos EUA?
Nosso plano de expansão nesta fase é montar pontos de venda, ou seja, “galerias” dentro de lojas de móveis já estabelecidas no mercado. No ano passado inauguramos duas galerias, uma na Addison House, em Aventura, e outra na Judith Norman Now, em Dania. Alguns projetos de galerias Saccaro estão em fase de estudo para futura aprovação.

Por Connie Rocha – Fotos: Fabiano Silva

You cannot copy content of this page
X