Vida e Saúde

Entenda como desenvolver uma melhor conexão entre pais e filhos

Sending
User Review
0 (0 votes)

Orientadora parental sugere estratégias para melhorar a relação e tornar a educação ainda mais efetiva

A comunicação afetiva é a base para desenvolver uma boa conexão entre pais e filhos, fazendo com que as crianças e adolescentes se sintam em um ambiente seguro para o seu desenvolvimento emocional, além de promover laços para toda a vida e aumentar a sua autoestima. A troca de palavras não é apenas o único fator da comunicação afetiva, que também conta com demonstração de amor, carinho, preocupação e orgulho, sendo essencial para o filho aprender a se expressar de maneira clara e lidar com seus conflitos de forma construtiva. 

Para a orientadora parental e especialista em desenvolvimento neuroatípico, Andreia Rossi, existe um caminho que deve ser seguido para estabelecer uma boa conexão com os filhos. “Nós, pais, devemos começar ouvindo de fato o que nossos filhos estão querendo nos dizer, dedicando atenção ao que eles estão compartilhando. Ao processar o que foi dito, devemos entender também quais emoções e sinais não verbais o filho demonstrou, desse modo, facilitando a resposta e conexão”, explicou. 

Este é um processo que leva tempo e não acontece de um dia para o outro. Para isso, existem depósitos emocionais e algumas estratégias, que podem auxiliar no desenvolvimento da conexão entre pais e filhos:

Ativação reticular: nada mais é do que prestar atenção às pequenas coisas. A ativação reticular direciona a atenção para o que é importante para cada um e acontece de forma natural. A dica é se atentar e abusar dessa função, percebendo pequenos detalhes, como gestos, ações e palavras positivas que o filho apresenta.

Promessas: os pais não devem prometer algo para os seus filhos, que não irão cumprir depois. “No início, a promessa pode ser feita com uma boa intenção, mas o não cumprimento pode acarretar em decepção, perda de confiança, menosprezo e até mesmo um sentimento de que a criança não é respeitada”, comentou a educadora parental. 

Perdão: diferente do que algumas pessoas pensam, pedir perdão ao filho não passa uma imagem de inferioridade, mas, sim, que todos podem errar, além de ser reparador e aliviar a ansiedade. 

Demonstrar amor por gestos: pequenos gestos fazem a diferença, além de criar uma memória afetiva para o filho, irá também criar uma conexão maior com os pais. 

Se interessar pelos interesses da criança/adolescente: é um momento onde os pais podem curtir junto com os filhos, aprendendo mais sobre o seu estilo musical preferido, como são os jogos que ele mais gosta, qual série ou filme está acompanhando no momento. O importante é não julgar, apenas demonstrar interesse e passar um tempo juntos.  

Outros métodos podem ser utilizados para criar ainda mais conexão. O acompanhamento de uma orientadora parental facilita a comunicação e convivência dos pais com os filhos, sejam eles típicos ou atípicos, aqueles com TEA – Transtorno do espectro autista, TOD – Transtorno opositivo desafiador ou TDAH – Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade, entre outros transtornos do neurodesenvolvimento

“Os pais podem aproveitar as férias escolares para se conectarem e repensarem nos desafios e distanciamentos que ocorrem ao longo do ano, além das oportunidades que o próximo ano reserva”, exaltou Andreia. “A relação entre pais e filhos é muito mais complexa do que parece, mas diversas técnicas existem para melhorar a relação e tornar a educação mais efetiva”, finalizou a educadora parental. 

Sobre a orientadora parental

Andreia Rossi é Master em Comunicação Social, Psicopedagoga e atualmente Educadora Parental, auxiliando as relações entre pais e filhos. Aos 8 anos, sua filha recebeu o laudo de TOD – Transtorno Opositivo Desafiador, atraso global do desenvolvimento e rebaixamento cognitivo. Com isso, realizou diversos cursos e se tornou especialista no assunto. 

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Taxas de câmbio USD: qui, 29 fev.

Advertisement

Advertisement

Categorias

You cannot copy content of this page