Vida e Saúde

Assimetria dos seios: é saudável cirurgia plástica antes dos 18 anos?

Sending
User Review
0 (0 votes)

Estudo americano indica que a saúde psicossocial de jovens e adolescentes baixa com a condição

Querendo provar que a cirurgia plástica nem sempre se trata só sobre a beleza e a vaidade, um grupo de médicos do Hospital Infantil de Boston conduziu um estudo ao longo de 10 anos com 45 mulheres na casa dos 18 anos. Todas elas possuíam algum tipo de assimetria das mamas, a maioria com subdesenvolvimento de um dos seios, outras com um seio com crescimento anormal e um pequeno grupo com uma condição rara chamada mama tuberosa, deformidades na aparência que causavam graves condições psicológicas no grupo pesquisado.

Mesmo parecendo que as participantes são muito jovens para passar por um procedimento do tipo, o estudo publicado no Jornal da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos, indicou que as pacientes tinham um grave déficit de aproveitamento social e saúde mental quando comparadas a outras jovens, tanto pelo aspecto físico quanto pelo psicológico.

“A mama tuberosa, por exemplo, é uma malformação dos seios, em que a base é menor do que o comum, o que causa tamanho e aréolas desproporcionais. Além de ser visualmente incômodo, gerando diversos problemas psicossociais, também pode causar dor na portadora,” explica Patricia Marques, cirurgiã plástica especialista em cirurgia reparadora de mama pelo Hospital Memorial Sloan-Katering Cancer Center, em Nova York.

A especialista compartilha um pouco do que escutou de suas próprias pacientes. “Muitas delas me contam que não tinham coragem de ir à piscina ou na praia, colocavam preenchimentos no sutiã para compensar a assimetria, ou até evitavam criar laços românticos por vergonha da estética”.

Segundo Marques, a correção para esse tipo de problema é mais simples do que parece. “No caso de um seio muito pequeno podemos fazer o implante de silicone ou a lipoenxertia, com a própria gordura da paciente. Quando uma mama é muito maior, realizamos a mamoplastia redutora. Podemos até mexer no outro seio, para que ambos fiquem com aparência harmônica”, explica.

No caso da mama tuberosa, a cirurgiã esclarece que o procedimento é um pouco mais complexo, já que primeiro deve ser feita a correção do tamanho da aréola, para diminuí-la e deixá-la proporcional, e somente depois deve ser feito o alargamento da base do seio e realojamento do tecido mamário, para que ele perca o formato em ‘tubo’. ”Só então é colocado o silicone ou enxerto de gordura para eliminar a flacidez”, explica.

No estudo, os resultados foram extremamente positivos: todas as pacientes num período de 3 anos após os procedimentos, apresentaram melhora na qualidade de vida, autoestima e doenças psicológicas, se igualando a média de outras mulheres na mesma faixa etária. Eles também acreditam que as pacientes se beneficiaram de terem feito a cirurgia mais cedo e aproveitado mais a adolescência.

“A autoestima vem de dentro e quando não estamos confortáveis em nossa própria pele, principalmente nesta fase, podemos perder muito em relação a saúde mental. Acredito que esse seja um dos casos mais indicados para buscar a ajuda da cirurgia plástica,” finaliza Marques.

Sobre a Especialista:

Doutora Patricia Marques é graduada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, membro especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, com especialização em reconstrução de mama e cirurgia linfática no Hospital Santa Creu i Sant Pau em Barcelona, e complementação em cirurgia reparadora de mama, cabeça e pescoço no Hospital Memorial Sloan-Katering Cancer Center, em NY, EUA. 

CRM-SP: 146410

Site: www.drapatriciamarques.com.br

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Advertisement

You cannot copy content of this page
X
X