Oriental Poppies - Georgia O’Keeffe. Foto: Wikipedia
Arte

As Flores na Arte

Sending
User Review
5 (1 vote)

Desde o início dos tempos, as flores são admiradas pelo homem por sua beleza. Ao longo dos séculos, elas foram usadas como elementos da arte. A primeira pintura floral apareceu nas paredes de tumbas egípcias, que retratavam principalmente a flor de lótus. A incrível atratividade das flores também lhes conferiu uma importância acrescida como objetos de decoração para residências e estabelecimentos comerciais.

A flor também pode ser encontrada em outras formas de arte, como nas jóias e na arquitetura. Pinturas a fresco de jardins, por exemplo, foram descobertas nas ruínas da cidade romana de Pompeia. Durante a era gótica, as flores eram retratadas em pinturas como símbolos da personalidade ou da importância de determinadas pessoas. As rosas simbolizavam o amor, os lírios representavam a pureza, a tulipa representava a nobreza e os girassóis, a devoção. Na Renascença, elas eram usadas para ampliar os temas mitológicos, e nas pinturas holandesas, representavam as etapas da vida humana.

Os artistas têm usado o significado das flores em sua arte por séculos. Eles foram estimados por mais do que apenas sua beleza, seu significado tem sido usado como uma expressão artística das emoções, seja um símbolo de amor, ciúme ou romance. O significado de uma rosa vermelha, por exemplo, é amor. Há alguma dúvida de por que as rosas vermelhas são as flores favoritas do Dia dos Namorados?

Um cravo vermelho também transmite paixão e ao mesmo tempo um cravo listrado é um sinal de recusa. Os artistas, ao longo dos tempos, usaram seu significado para criar uma beleza de tirar o fôlego em suas composições. Algumas pinturas famosas incluem “Sunflowers” de Vincent van Gogh e “Red Poppy” de Georgia O’Keefe.

Sunflowers – Vincent Van Gogh. Foto: Wikipiedia

Pinturas florais são presentes perfeitos para agregar uma casa, porque quase todo mundo adora. São muito versáteis e fazem grandes complementos na decoração de qualquer cômodo, e até mesmo na sala de espera de um escritório. São excelentes peças de conversação e proporcionam um ambiente acolhedor para a família, visitantes e clientes.

Essas belezas naturais são há muito tempo o tema favorito de muitos artistas de pintura a óleo. Suas inúmeras cores, formas e contornos das flores oferecem uma diversidade infinita nas composições dos antigos mestres. É por isso que as flores são apreciadas pelos artistas do mundo todo, que imortalizaram a beleza delas em sua arte.

Algumas obras famosas incluem “Nenúfares” de Monet e “Girassóis” de Vincent Van Gogh. Monet foi um impressionista francês de pinturas a óleo. Suas pinturas refletem a influência da luz. Suas pinturas de flores são brilhantes, coloridas e distintas e estão entre as artes florais mais populares de todos os tempos. Artista pós-impressionista holandês, Vincent van Gogh criou algumas obras de arte notáveis. Entre eles estão suas famosas pinturas de girassóis. Isso parece ter algum significado especial para Van Gogh, porque ele pintou onze telas com girassóis. Van Gogh também retratou íris, lilases, rosas e loendros.

A história das flores na arte é a história da fé, das atitudes em relação à sexualidade e da sede de poder e conhecimento. Na Holanda do século 17, a flor era um símbolo de influência política e do controle humano sobre a natureza. “Flower power” pode muito bem ter sido uma invenção holandesa. Os holandeses preferiam flores importadas que eram cultivadas e cruzadas por intervenção humana. Esses novos exóticos incluem tulipas da Turquia, dálias do México e fritilares da Pérsia. A expansão das colônias holandesas deixou uma espécie de “mapa floral” de sua influência global.

Mas flores na arte também podem assumir significados contraditórios – por um lado, representam um impulso sexual desenfreado, por outro, a castidade. Essa união incômoda talvez reflita as divisões entre a moral cristã e as crenças pagãs muito mais antigas. Na arte religiosa, sua imagems representa atitudes cautelosas em relação ao sexo. A ideia cristã da flor como um símbolo de castidade é desafiada pela ideia greco-romana das flores como emblemas da primavera, da nova vida e do impulso de procriar.

A Primavera de Botticelli é carregada de erotismo sexual, de abundância floral e sexualidade feminina sedutora com deusas seminuas. Durante a era vitoriana, as flores perderam seu significado religioso e se tornaram meramente decoração ornamental produzida em massa – alimentando o desejo crescente de consumo conspícuo.

Monet transformou as flores em Arte de cenas e objetos em harmonias mais abstratas de forma e cor. Ele usou cores brilhantes em salpicos, traços largos e texturas em camadas. Liberando-se das restrições da teoria, ele disse: “Gosto de pintar como um pássaro canta”.

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Taxas de câmbio USD: ter, 18 jun.

Advertisement

Advertisement

Categorias

You cannot copy content of this page