Coaching envolve uma ampla gama de serviços
Arte

O trabalho do Coach de arte

Cada vez mais surgem novas opções para aprimorarmos vários segmentos de nossas vidas. Hoje existem treinadores de nutrição, treinadores de vida, treinadores de negócios e pessoas cada vez mais especializadas em todos os setores. Se você tem um problema, há sempre alguém que pode contratar para ajudar você a resolvê-lo.

E por que não um coach de arte?
Existem treinadores de artistas, cujos serviços são voltados para profissionais criativos e entusiastas. Para entendermos melhor o que faz um coach de arte, é preciso entender em que esse tipo de aconselhamento implica, e para isso vamos falar de algumas técnicas usadas com artistas diversos, de áreas muito diferentes. Alguns coaches usam técnicas mais focadas em lazer, para melhorar o potencial de ganhos, enquanto outros tratam a criação de arte como um processo de autodescoberta, que tem pouco a ver com um salário.Todos eles compartilham uma paixão por ajudar seus clientes a se tornarem melhores artistas e, talvez, seres humanos mais equilibrados.

Existe um consenso geral de que o “cliente perfeito” é alguém que passou cerca de cinco anos envolvido em sua prática. A maioria dos artistas que buscam os serviços de um coach está na faixa de 30 e poucos anos – em vez de estudantes de artes visuais recentes -, uma idade em que eles estão realmente prontos para ouvir conselhos, tomar a direção sugerida e mudar sua carreira para o próximo nível. Muitos coaches oferecem sessões presenciais em seu escritório, mas também hoje é possível conduzir consultas em qualquer lugar do mundo online.

Coaching envolve uma ampla gama de serviços – desde assistência com redação para subsídios a críticas informais para sites. Sessões preliminares visam fazer com que os artistas pensem sobre como eles definem o sucesso e como querem seguir suas carreiras de certo ponto em diante. É importante destilar os desejos e as motivações de um artista com perguntas como: “Você realmente quer uma galeria ou apenas acha que deveria ter uma galeria?”.
É essa nuance que faz um coach de artistas ser mais um recurso diferente de, digamos, um amigo, que está disposto a visitar seu estúdio e ouvir seus problemas.

Um cliente pode estar preocupado em estar falando em termos acadêmicos ou o oposto, ou seja, que sua história é muito vaga ou indecisa. Existem também coaches que treinam pessoas que usam a arte como uma saída criativa e não com ambições de lançar uma carreira lucrativa. Sendo assim, os métodos estão mais próximos do ensino prático de arte, com menos táticas de desenvolvimento profissional do que alguns coaches empregam. Dependendo da maneira de cada pessoa se expressar, cria-se a arte, a partir da verdade interior dessa pessoa.

Outros coaches podem usar uma lente holística mais ampla – ajudando os artistas a trabalhar com o gerenciamento emocional, ou por exemplo, com a “sensibilidade à rejeição”. A distinção entre coaching de arte e psicoterapia real pode ser pequena – mas importante. A psicoterapia incluiria um diagnóstico clínico, enquanto o coaching não o faria.

Interpretação é uma parte fundamental do kit de ferramentas de um coach. Um aspecto importante é também a possibilidade de “role playing”, a interpretação de papéis como galerista e artista: o artista pode querer trabalhar com respostas e perguntas para algumas das questões difíceis, que um galerista ou agente pode dar a eles.

Utilizando técnicas cognitivo-comportamentais, um coach pode também ajudar os artistas a irem além dos padrões autodestrutivos. E, ao contrário dos analistas passivos de estilo freudiano, coaches com novas técnicas estão guiando ativamente seus clientes e oferecendo conselhos específicos.

Esse tipo de treinamento de artista seria ideal para alguém que quer se dedicar tanto à sua prática criativa, quanto a qualquer outra coisa que o acompanhe. Um artista extremamente sensível pode não ter os meios para se promover. Alguns sentem que é a fonte da matéria-prima que é expressa por meio de sua arte.

You cannot copy content of this page