Prefeito de Miami, Francis Suarez/Reprodução: Facebook
Business EUA

Francis Suarez quer transformar Miami no novo Silicon Valley; a ideia está pegando

Quando Delian Asparouhov do fundo de venture capital Founders Fund sugeriu no Twitter que Silicon Valley se mudasse de mala e cuia para Miami, o prefeito Francis Suarez tuitou de volta: “How can I help?”

A conversa viralizou e atraiu fundadores-celebridades e executivos do mundo tech como Jack Dorsey do Twitter, Dave Portnoy do Barstool Sports e Keith Rabois, um dos fundadores do Founders Fund, que já se mudou para Miami e virou uma espécie de ‘cheerleader’ de Suarez na campanha para atrair talentos.

Marcelo Claure do SoftBank se juntou ao coro, anunciando um fundo de US $100 milhões para atrair startups para a cidade e Miami virou assunto nos chats e reuniões de empreendedores e VCs país afora. Em pouco tempo, o prefeito se tornou o queridinho do momento e sua campanha #MoveToMiami explodiu no Twitter.

Chefes de fundos como Barry Sternlicht do Starwood Capital Group e Edward Lampert do ESL Investments já haviam se mudado para a cidade e o gigante de private equity Blackstone anunciou no ano passado a abertura de um escritório de mais de 200 pessoas com o foco em tech. Carl Icahn transferiu sua Icahn Enterprises para Miami Beach em agosto. O fundo de private equity Thoma Bravo de Chicago escolheu Miami e não Nova York para abrir o primeiro escritório na costa leste.
E não faltam boatos, como planos do Goldman Sachs de trazer seu asset management para Miami e o até uma possível mudança do JP Morgan para a cidade.

Vista do Museu da Criança em Watson Island com Miami ao fundo/Foto: Pxhere.com

O mais recente entusiasta: Elon Musk, que sugeriu ao prefeito túneis subterrâneos para aliviar o trânsito na cidade. Suarez e Musk conversaram e o prefeito se animou com a promessa de um projeto rápido e barato.

“Nós conversamos muito sobre a idéia de um túnel sob a Brickell, que no passado foi estimado em mais de US$1 bilhão, e ele disse ter uma idéia que custaria uns $30 milhões,” Suarez disse em um vídeo no Twitter logo após a conversa. “Temos uma oportunidade única para criar uma identidade realmente inovadora na cidade com esse projeto.”

Suarez diz que idéia de um SIlicon Valley tropical, perto de Nova York e da América Latina, está cada vez mais atraente, principalmente depois que o home office virou rotina no mundo corporativo. O prefeito decidiu colocar Miami no mapa das novas tech hubs de uma vez por todas, promovendo o clima, os impostos baixos — a Flórida não cobra imposto de renda estadual — e o estilo de vida ‘cool.’
“Essa vista atrás de mim não é um background do Zoom. Miami é um lugar incrível com uma economia vibrante e um custo de vida que ainda é atraente. Temos tudo para nos tornarmos um grande centro de tecnologia e inovação,” Suarez disse por videoconferência de seu escritório na prefeitura, um prédio dos anos 30 em Coconut Grove com uma vista deslumbrante da Baía de Biscayne.

Ele não perde uma oportunidade de promover Miami como a melhor opção para refugiados da Bay Area e nova-iorquinos infelizes buscando mais qualidade de vida na era pós-covid. O próprio Suarez comenta dezenas de posts por dia, com mensagens simpáticas cheias de emojis.

Foi assim que o homem mais rico do mundo entrou na vida do prefeito.

O encontro virtual aconteceu numa madrugada pouco depois das 3 da manhã, quando Suarez respondeu a um comentário de Musk sobre inovação em tecnologia de baterias para energias alternativas.

O prefeito de Miami oferece sua cidade aos funcionários de tecnologia de São Francisco que desejam se mudar/Foto: Reprodução/Twitter

“@elonmusk eu não poderia estar mais de acordo…. Adoraria te receber na prefeitura de @CityofMiami para conversar sobre potenciais soluções para o nosso futuro,” ele escreveu.
Quarenta minutos depois, Musk respondeu com uma idéia: “Carros & caminhões parados no engarrafamento geram megatoneladas de gases tóxicos e partículas, mas túneis da @boringcompany passando por debaixo de Miami poderiam resolver o trânsito e seriam um exemplo para o mundo,” e disse que conversara com o governador da Flórida Ron DeSantis sobre o assunto. “Se o governador e prefeito quiserem, nós faremos.”

O Twitterati não perdoou e caiu em cima do excêntrico CEO da Tesla, que claramente desconhece a geologia de Miami: com um solo de calcário poroso e baixíssima elevação, a região não permite sequer a construção de garagens subterrâneas, que dirá túneis para o transporte de milhares de pessoas em veículos autônomos.

Mas Suarez manteve a pose: “Nós precisamos ter a mente aberta e pensar de forma inovadora. Se ele quer vir para a minha cidade testar um túnel, ótimo.” Na semana passada Suarez conversou com Steve Davis, CEO da Boring Co, sobre soluções para o trânsito na cidade.

Desde o início do ano o prefeito tem usado o programa #CafecitoTalk, lives em que conversa informalmente com executivos e investidores em tecnologia, para aumentar o hype.

Os gêmeos Tyler e Cameron Winklevoss da Gemini — que dizem ser os criadores da idéia original do Facebook — conversaram sobre blockchain e sobre como fazer de Miami uma cidade competitiva nesse mercado. E tomaram o famoso cafecito de Suarez: fortíssimo, ao estilo cubano, consumido preto e com muito açúcar.

Suarez também trocou tuítes com Anthony Pompliano, o “cripto influencer” fundador da Morgan Creek Digital que se mudou recentemente para Miami. Durante a conversa o prefeito disse que considerava investir 1% do tesouro da cidade em Bitcoin e incorporar criptomoedas nos sistemas de pagamento de tributos.

Outro que está testando a cidade antes de fazer uma mudança permanente é Peter Thiel, co-fundador do PayPal e sócio da Founders Fund. Suarez e Thiel almoçaram na mansão de nove quartos que o bilionário comprou por US $18 milhões nas Venetian Islands e conversaram sobre o que o governo pode fazer para facilitar a vida de gigantes da tecnologia que querem se mudar.
Apesar do hype recente, nem tudo são praias paradisíacas e simpatia na Magic City. A falta de um pool de talentos para atuar na área financeira e a baixa qualificação da mão de obra podem ser deal-breakers para os que estão acostumados com o calibre dos profissionais da Bay Area ou Nova York. As escolas na Flórida estão abaixo da média nacional, e a infraestrutura de transporte e saúde também é fraca.

Suarez reconhece o problema e disse estar estimulando investimentos em programas de formação de profissionais. O prefeito também quer que todas as escolas primárias ensinem programação para crianças a partir de 6 anos.

Um outro empecilho que Suarez prometeu resolver: eliminar o uso de cláusulas non-compete, comuns na Flórida. Para isso, o prefeito terá que propor mudanças às leis estaduais.

Por enquanto é muito papo e poucos dólares: O volume de funding de VC efetivamente chegando até Miami ainda é pequeno. Segundo a PitchBook, Miami atraiu somente 1% de todo o VC funding disponível nos EUA no ano passado.

Mas para John Stecher, chief technology officer da Blackstone, logo isso vai mudar. Segundo ele, startups e uma toda uma constelação de profissionais do mundo tech e do mercado financeiro estão analisando a cidade com um novo olhar influenciado pelas mudanças impostas pela pandemia.

“Miami lidera no ranking de qualidade de vida; já existe um ecossistema robusto de universidades e um pipeline de talento que não fica muito atrás de outras cidades,” disse.

You cannot copy content of this page
X