Educação Corporativa: Qual o papel das empresas na pandemia?
Business Coronavirus

Educação Corporativa: Qual o papel das empresas na pandemia?

Rebeca Toyama comenta sobre a nova forma de se relacionar com os colaboradores neste momento

Sem nenhuma exceção, todas as organizações têm sentido os impactos causados pela pandemia do COVID-19, e um fator importante a ser analisado neste momento é trazer um novo olhar e uma nova forma de se relacionar com os colaboradores. Além dos impactos como a redução de renda e extinção de algumas atividades, a rotina profissional já foi impactada seja pelo novo ambiente ou pela pressão de inúmeros fatores em conjunto.

Com isso, Rebeca Toyama, especialista em estratégia de carreira traz algumas reflexões para as organizações, a fim de utilizar a pandemia como uma oportunidade de transformar a visão de mundo das empresas.

De acordo com o artigo divulgado no início deste ano pela Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial, as principais habilidades para se aprender estão ligadas à tecnologia, relações interpessoais que são praticamente impossíveis de automatizar, criatividade, persuasão e colaboração, além dos desafios da revolução de requalificação.

Diante da pandemia, as empresas tiveram que pensar na requalificação muito mais rápido do que se imaginava, mas por um outro lado trouxe a consciência e a responsabilidade que as organizações têm pela continuação da formação de seus colaboradores. Pensando nisso, Rebeca explica que um dos principais desafios é requalificar os profissionais para conseguirem atender aos desafios do novo mercado de trabalho, a 4ª revolução industrial, que é preparar o ser humano para se relacionar com a inteligência artificial.

“Com toda essa mudança, temos o desafio de requalificar toda a mão de obra, e falamos de requalificar desde o presidente ao office boy. Toda a cadeia dentro de uma empresa precisa ser qualificada para transitar neste novo mundo.”, afirma Rebeca Toyama, especialista em estratégia de carreira.

As empresas são responsáveis por formarem em seus colaboradores os hard skills, mas também cabe desenvolver os soft skills, e agora é o momento onde as organizações precisam ensinar aos seus funcionários a gestão de tempo e como lidar e ter controle com o estresse, angústia e pânico. A educação corporativa neste momento vem como o ponto-chave para ter uma equipe engajada e com níveis saudáveis de bem-estar.

Para a especialista, a pandemia trouxe a oportunidade das empresas lembrarem seus propósitos e valores, e assim estabelecer um vínculo mais saudável com os seus colaboradores. “A importância da empresa estar em sintonia com seus colaboradores é garantir que eles estejam aptos a responder os desafios presentes no cenário atual sem colocar em risco sua saúde mental. ”, conta, Rebeca.

Inteligência Emocional

Outro papel das organizações é entender que o colaborador tem diversas dimensões dentro dele, portanto, é importante se investir em inteligência emocional. Principalmente neste momento, onde as empresas precisam estar prontas para acolher as demandas emocionais de seus funcionários, o que significa ter empatia e mostrar que a situação está complexa para todos.

“Muitos gestores, às vezes por não saber resolver o problema pessoal de um colaboador, entendem que não devem acolher a demanda emocional, mas é somente demonstrar empatia. Se a empresa não olhar para seus colaboradores como ser humano, não conseguirá extrair a melhor versão dele ”, reforça, Toyama.

O vínculo com os colaboradores vai muito além do engajamento, faz o indivíduo ter um propósito maior junto a empresa e eleva autoestima e autoconfiança, assim reduz os quadros de ansiedade, estresse e instabilidade emocional dos colaboradores. “Cuidar dos colaboradores não é uma escolha, e sim, uma necessidade! E criar esse vínculo mesmo à distância, fará seu colaborador se sentir engajado por sentir-se importante para a empresa. ”, finaliza, Rebeca Toyama.

A especialista em estratégia de carreira, Rebeca Toyama traz 4 principais dicas de Educação Corporativa para auxiliar as organizações neste momento de pandemia:

1- Entender seu papel enquanto educador social: Dê continuidade na formação do ser humano. Desenvolva em seus colaboradores os hard skills e soft skills;

2- A importância de ter uma visão de mundo claro: Cuidar dos colaboradores não é uma escolha, e sim, uma necessidade. Entenda os geradores de estresse e angústias. Mostre para os colaboradores o quão são importantes para a empresa neste momento;

3- Momento importante para revisitar seus valores e visão: Aproveite esse momento para resgatar seus valores e propósitos. A empresa precisa estar alinhada com os valores e a visão de seus colaboradores, pois esse é o caminho para descobrir o valor que se tem neste momento;

4- Colocar sua visão de mundo pós-pandemia: Tente resgatar e adaptar o propósito da empresa após essa pandemia.

 Rebeca Toyama

Sobre Rebeca Toyama

Rebeca Toyama é fundadora da RTDHO empresa com foco em bem-estar e educação corporativa. Especialista em estratégia de carreira e saúde financeira. Atua há 20 anos como coach, mentora, palestrante, empreendedora e professora e atualmente é mestranda em psicologia clínica.

Colaboradora do livro Tratado de psicologia transpessoal: perspectivas atuais em psicologia: Volume 2; Coaching Aceleração de Resultados e Coaching para Executivos. Integra o corpo docente da pós-graduação da ALUBRAT (Associação Luso-Brasileira de Transpessoal), Instituto Filantropia e Universidade Fenabrave.

Coach com certificação internacional em Positive Psychology Coaching e nacional em Coaching Ontológico e Personal Coaching com o Jogo da Transformação.

Foto: Pxfuel

You cannot copy content of this page