Obra da Série Metrópole 2020, de Vitório Gheno foto: Daniel Martins
Arte

Uma exposição de arte na sua casa

Galeria Bublitz e aplicativo Mobart levam obras inéditas do célebre artista Vitório Gheno para a sala das pessoas em uma experiência inédita.

A Bublitz Galeria de Arte foi a primeira em levar uma exposição de arte para a casa dos visitantes, em uma parceria com o aplicativo Mobart. A novidade será lançada no dia 21 de novembro, com a inauguração presencial e virtual da exposição Arabescos, do artista plástico Vitório Gheno, um dos grandes nomes da arte contemporânea brasileira, em criações inéditas, produzidas durante a pandemia, e em obras clássicas de sua trajetória de mais de 70 anos de arte.

Para colocar os quadros de Gheno na sua casa, em tamanho natural, basta baixar o aplicativo Mobart disponível na Apple Store. Acesse o vídeo com o tutorial em https://youtu.be/CTib5kjL2Jo e veja como funciona. Por enquanto, a experiência estará disponível apenas para Iphones e Ipads, mas, ainda no primeiro trimestre de 2021, a visita em realidade aumentada poderá ser conferida pelo sistema Android.

A Mobart é uma startup que tem a sua origem na pesquisa de doutorado em Artes Visuais da art dealer Andrea Capssa na Universidade Federal de Santa Maria. Atualmente, a Mobart é incubada na Pulsar/AGITTEC e acelerada pela USP com apoio da Samsung. O objetivo é propor soluções e novas dinâmicas para os agentes do mercado da arte. A parceria com a Bublitz é resultado de uma proposta de unir arte e inovação.

Com aplicativo de realidade aumentada, quadro de Gheno pode ser visto na sua sala Reprodução Mobart

A novidade abre espaço para a arte reconhecida de Vitório Gheno, em uma vitrine de janelas e possibilidades que se multiplicam. A exposição Arabescos apresenta 16 obras do artista, em duas séries, Arabescos, com criações inéditas desenvolvidas durante o período de pandemia, e Cidades Paralelas e Métropole, com obras clássicas da trajetória de Gheno. A exposição conta com a curadoria da produtora cultural, fotógrafa, editora e bibliotecária documentalista Nádia Raupp Meuci. Gheno é um dos principais artistas da Bublitz Galeria de Arte e suas obras já estiverem presentes em duas exposições individuais e quatro coletivas no espaço.

Os Arabescos de Vitório Gheno

Vitório Gheno é um autêntico. É assim que ele se auto define. “Ao longo dos últimos 25 anos acompanhei o artista, realizando a curadoria de sua obra. Um dos resultados deste trabalho dedicado e continuado, foi a pesquisa, produção e publicação do único livro de arte publicado no Brasil sobre o artista – Gheno Artista Plástico – lançado em outubro de 2006 no MARGS, com repercussão jamais vista no Museu em lançamento de livro com exposição retrospectiva de 6 décadas de arte, na época”, relata a curadora. Agora, já são mais de 7 décadas de arte. De lá para cá, Gheno nunca parou de criar e pintar, como faz desde sua adolescência quando iniciou sua carreira artística na Seção de Desenho da Livraria do Globo, chefiada por Ernst Zeuner, alemão graduado em Artes Gráficas na Alemanha e radicado em Porto Alegre.

Portanto, uma vasta e diversificada gama de novas séries e temas foi criada por ele. Gheno tem obras em vários países da Europa e nos Estados Unidos, recentemente em Miami. Dono de um talento, criatividade, traço e leveza invejáveis, sua marca registrada é a versatilidade, posto que atuou nas mais diversas áreas da arte brasileira, como aquarelista, gravador, ilustrador, publicitário, jornalista, designer de mobiliário, designer de interiores, artista plástico. Não há o que Gheno não crie e pinte. Em uma única obra sua podemos contemplar outros “novos quadros” inseridos nos diversos detalhes que descobrimos todos os dias ao contemplá-la novamente. Portanto, suas obras nos surpreendem diariamente: ele consegue pintar vários quadros ao mesmo tempo, dentro de uma única tela.

ARABESCOS é a mais recente e inédita série de Gheno, cuja pesquisa iniciou em 2017, em seus próprios desenhos espalhados por agendas telefônicas: trata-se de um hábito inconsciente que o artista sempre teve, isto é, ficar desenhando nas agendas enquanto fala ao telefone. Um dia, revendo agendas para procurar contatos antigos, deu-se conta de tantos desenhos que nem ele mesmo lembrava. Os desenhos pareciam arabescos e eram recorrentes. Recortou tudo, em agendas que ainda tinha, e começou a pesquisar. Nascia uma nova inquietação. Alguns quadros pequenos desta série nova, foram ainda pintados em 2017, e foram adquiridos por um grande colecionador de Porto Alegre que tem o hábito de adquirir obras novas do Gheno. É o colecionador que possui muitas obras de diversas séries pintadas pelo artista nas últimas duas décadas e meia. Em 2018 e 2019, Gheno continuou pesquisando para sua série nova em horas vagas de outros trabalhos.

Vitório Gheno e a série Cidades Paralelas e Metrópole
Nádia Raupp Meuci