Geral News

Jurista analisa o efeito da eleição de Biden no mundo

Brasileira radicada na Alemanha desde 1995, a jurista e coordenadora internacional de projetos culturais Paula Macedo Weiss, analisa pelo prisma de suas memórias o desenvolvimento político do Brasil e do mundo diante da eleição nos Estados Unidos de Joe Biden e Kamala Harris. Paula analisa o momento político atual no mundo a partir da recente eleição americana, entretecendo suas memórias à questões prementes da atualidade como autoritarismo, perda de liberdades e de humanidades.

Como jurista e articuladora cultural, Paula Macedo Weiss se coloca como uma voz para discussões sobre a situação politica global e as novas perspectivas abertas com a vitória de Joe Biden para presidente dos Estados Unidos. Enfatiza a importância dessa conquista para a recuperação dos elementos básicos de convivência social, para a diplomacia e para a democracia global. Esses bons ventos nos permitem ter esperança no resgate de valores elementais e civilizatórios que fundamentam um Estado democrático de Direito, discurso do qual Weiss assume uma postura de porta voz e comentarista.

Sobre a eleição, Paula reflete que: “a eleição do Biden é um sinal de bom senso nessa luta diária contra o crescimento da intolerância, das Fake News, da desinformação, dos medos, que estão hoje em dia intrinsicamente ligados à raiva, gerando a hiperpolarização da sociedade e conflitos quase instransponíveis.  Essa eleição vitoriosa da democracia nos dá uma pausa. Podemos respirar um pouco mais aliviados frente a possibilidade real de retomada de uma narrativa e práticas mais humanistas, baseada na diversidade, na pluralidade, na inclusão social e no diálogo. Não só lá como aqui. Tenho certeza que esses valores também repercutirão na nossa sociedade. 

Ainda sobre a importância da vice-presidente Kamala Harris, ela afirma que “a eleição de uma vice presidente negra e filha de imigrantes é uma conquista para todos nós, mulheres, e principalmente para uma parcela enorme da sociedade americana que nunca se sentiu representada.

Há mais de duas décadas, Paula Macedo Weiss faz pontes culturais entre Brasil e Alemanha. Este ano ela é uma das patronas da Bienal de Berlim. Além de todo seu envolvimento com o mundo cultural, Paula acaba de lançar neste último mês de outubro, um livro de memórias, ENTRE NÓS, dos tempos em que viveu no Brasil sob a ditadura civil-militar. A obra conta sua história pessoal misturada à história do país. Nascida em plena ditadura, acompanhou de perto o caminho que levou à abertura política. Seu pai, Osvaldo Macedo, foi um político que lutou sempre pela democracia e pelos direitos do cidadão brasileiro; e a herança política recebida dos pais dá o tom ao livro.  

As questões abordadas na trama tornaram-se mais atuais do que nunca diante do governo de extrema direita que rege a política no Brasil; uma história que Weiss conhece bem e que com o livro tem o desejo de alertar especialmente as novas gerações que desconhecem a ditadura vivida pelo país e sempre viveram sob o auspício da liberdade ou melhor, das liberdades. O momento atual no mundo é de vigília e de luta. 

Conforme diz o texto de orelha de ENTRE NÓS, da escritora Veronica Stigger, “Paula cresceu em meio a batalhas e, desde pequena, aprendeu a lidar com as adversidades. ‘Não nasci para me entediar e assistir à vida de camarote’, afirma ela. O início da vida, disse à sua mãe o médico que lhe trouxe ao mundo, é decidido pelo momento que nasce. É sobre lutas e crescimento que fala o livro. A chegada à vida adulta coincide com a volta à democracia. Aí, então, a narrativa se encerra, em suspenso – e em suspense sobre os rumos do país depois da última eleição para presidente, quando a democracia se vê novamente em risco.