O diretor da novela ‘Liberdade, Liberdade’ Vinícius Coimbra e a atriz Andreia Horta
Programe-se

Entrevista com Vinicius Coimbra

Em entrevista Vinicius Coimbra, diretor geral de “Liberdade, Liberdade”, falou sobre a nova novela das onze da Globo, que estreia em 11 de abril.
Pouco tempo depois de trabalhar como assistente de direção no filme “Central do Brasil” (1998), Vinícius entrou para a Globo, onde trabalhou em minisséries e novelas como ‘Sabor da paixão’ (2002), ‘Celebridade’ (2003), ‘JK’ (2006), ‘O Profeta’ (2006) e ‘Queridos Amigos’ (2008). Ao lado de Dennis Carvalho, assinou a direção-geral das novelas ‘Insensato coração’ (2011), de Gilberto Braga e Ricardo Linhares, e ‘Lado a Lado’ (2012), de João Ximenes Braga e Cláudia Lage, que ganhou o Emmy Internacional de melhor telenovela de 2013. O diretor também comandou a 21ª temporada da série ‘Malhação’ (2013). Em 2015, ele lançou dois filmes: “A Hora e a Vez de Augusto Matraga”, vencedor do prêmio de melhor filme no Festival do Rio e “A Floresta que se Move”, com Ana Paula Arósio e Gabriel Braga Nunes no elenco. O trabalho mais recente de Vinícius Coimbra foi a minissérie “Ligações Perigosas” (2016).

Quais os principais elementos da direção para criar uma estética realista do Brasil de 1792 e 1808? Como foi esse processo para você?
A falta de ordem e justiça, a ausência de medicina, saneamento, de água encanada faziam das pessoas seres mais rudes, brutos, sofridos. Estamos tentando colocar isso frente à câmera, na maquiagem, no figurino, no cenário e na fotografia. Então, temos sujeira, suor, dentes amarelos, fumaça, poeira… A vida como a gente entende que era naquela época.

Quais os diferenciais do trabalho de iluminação em ‘Liberdade, Liberdade’?
A diferença é sempre o fotógrafo. Acredito que cada profissional tem a sua assinatura, como qualquer artista. Aqui temos Ricardo Gaglianone e Alexandre Reigada. Em termos técnicos, em ‘Liberdade, Liberdade’, as cores são menos vibrantes e há mais contraste na imagem, para realçar a sujeira da época. Usamos também lentes mais abertas, grande angulares, mesmo para os closes.

O elenco da novela viveu um importante processo de preparação. Houve aulas, leituras e workshop, indicação de livros e filmes para estudo a fim de que todos se ambientassem no período histórico. Conte mais sobre o processo de escalação e preparação do elenco como um todo.
O processo de escalação é muito intuitivo – o que é fundamental! Existe algo no olhar do ator que deve se assemelhar com o olhar do personagem que você imagina. A preparação, por sua vez, tem dois lados. Um, técnico, que agrupa aprendizados como culinária, esgrima, equitação… E outro, mais artístico, e aí entram os ensaios, onde concebemos esses personagens, onde os atores devem se apropriar de um DNA alheio.

Como está sendo trabalhar com o autor Mario Teixeira? Vocês trocam muito sobre o processo de criação da novela?
Conhecer o Mário foi uma grata surpresa da vida. Ele é uma pessoa muito culta, embasada e um parceiro extraordinário. Seu texto e seus personagens nos dão imagens maravilhosas. Estabelecemos uma ótima troca, intensa, nos ouvimos bastante e não faltam humor e confiança em nossa relação.

 

Sobre a novela:

A novela Liberdade, Liberdade inspirada no livro ‘Joaquina, Filha do Tira-dentes’ vai mostrar a volta ao Brasil depois de vinte anos, trazendo à tona todo o passado e o nome que carrega escondido: Joaquina (Andreia Horta). A filha de Joaquim José da Silva Xavier (Thiago Lacerda) e Antônia (Letícia Sabatella). A mulher que carrega no sangue a luta pela revolução de um país. A mulher que carrega a coragem para revolucionar a si mesma.
“Essa é a história de uma mulher que vive nesse período conturbado do país, em que o Brasil deixa de ser colônia e passa a ser a capital da Coroa portuguesa. É um período de revolução, do movimento da Inconfidência Mineira e de outros movimentos que desembocaram na Independência do Brasil”, define o autor Mario Teixeira. “O que mais me interessa em contar a história de Joaquina é a emoção que às vezes me assalta lendo o texto. É o Brasil, o amor que temos por essa terra”, pontua Vinícius Coimbra, diretor artístico da novela.
‘Liberdade, Liberdade’ é uma novela de Mario Teixeira baseada em argumento de Marcia Prates, livremente inspirada no livro ‘Joaquina, Filha do Tiradentes’, de Maria José de Queiroz. O texto tem a colaboração de Sérgio Marques e Tarcísio Lara Puiati. A direção artística é de Vinicius Coimbra.

Foto: Felipe Monteiro/Gshow)

You cannot copy content of this page