Programe-se

Entrevista com o diretor Vinícius Coimbra da minissérie “Ligações Perigosas”

Contabilidade
Sending
User Review
0 (0 votes)

Pouco depois de trabalhar como assistente de direção no filme “Central do Brasil” (1998), Vinícius entrou na Globo através de uma oficina de direção ministrada por Paulo José, numa turma em que estavam, entre outros, Moacyr Góes, Toni Venturi e Ulysses Cruz. O jovem diretor foi acolhido por Dennis Carvalho e Denise Saraceni. Trabalhou em minisséries e novelas como ‘Sabor da paixão’ (2002), ‘Celebridade’ (2003), ‘JK’ (2006), ‘O Profeta’ (2006) e ‘Queridos Amigos’ (2008). Ao lado de Dennis Carvalho, assinou a direção-geral das novelas ‘Insensato coração’ (2011), de Gilberto Braga e Ricardo Linhares, e ‘Lado a Lado’ (2012), de João Ximenes Braga e Cláudia Lage, que ganhou o Emmy Internacional de melhor telenovela de 2013. O último trabalho do diretor na TV foi ‘Malhação’ – Vinícius comandou a 21ª temporada da série (2013).
Vinícius Coimbra lançou dois filmes em 2015. Em setembro, “A Hora e a Vez de Augusto Matraga”, vencedor do prêmio de melhor filme no Festival do Rio de 2011. O longa-metragem recebeu ainda os troféus de melhor ator, para João Miguel, de melhor ator coadjuvante, para José Wilker, e um prêmio especial do júri de ator coadjuvante, para Chico Anysio. E em outubro, no Festival do Rio, o diretor lançou “A Floresta que se Move”, com Ana Paula Arósio e Gabriel Braga Nunes no elenco.

 

Como surgiu a ideia de fazer a minissérie ‘Ligações Perigosas’?
A ideia surgiu, na verdade, com uma pesquisa que estávamos fazendo para ‘Lado a Lado’. Assisti a “Ligações Perigosas”, do Stephen Frears, que é um filme que eu gosto muito. E percebi que já tinham se passado 20 anos da última vez que vi o longa. Percebi, também, o quanto eu era imaturo na primeira vez que vi. Nessa segunda vez, vi uma riqueza e uma complexidade muito maiores e fiquei muito impressionado. Então pensei que deveria fazer algo para a TV. E eu sou apaixonado pelos clássicos, já fiz um filme baseado em “Matraga”, outro em “Macbeth” e, quando eu vi “Ligações Perigosas”, pensei que deveríamos fazer algo no Brasil. Há várias adaptações no mundo em filmes e peças, e aqui nunca fizemos nada na TV. Convidei a Manuela Dias para escrever, nós já tínhamos sido parceiros em dois filmes, confio muito nela. É uma pessoa estudiosa, talentosa e embasada, conhece todas as tragédias gregas e dramas importantes. Eu a convidei para fazer o projeto, e a adaptação que ela fez ficou brilhante. Estamos com um texto bem forte, com uma história clara e personagens complexos.

 

Como foi a construção desse trabalho com relação à linguagem e escalação dos atores?
Houve uma preocupação estética com a fotografia e com os cenários. Fomos muito clássicos na forma de contar essa história e, de certa forma, minimalistas também. Essa é a forma que eu gosto de contar uma história, com bastante sutileza, delicadeza, com as emoções mais implícitas do que explícitas. Investi muito no trabalho com os atores, desde a escalação. Chamamos pessoas que poderiam suportar esses personagens. Nosso triângulo principal – Selton Mello, Marjorie Estiano e Patricia Pillar – dispensa apresentações. E eles estão dando um show, fiquei muito impressionado e completamente assoberbado pelo talento deles. Eu estou bem feliz com o resultado.

 

O que esperar de ‘Ligações Perigosas’?
Muita poesia e emoção. É uma trama com poucos personagens, porém todos fortes. Eles têm reações e atitudes surpreendentes, exatamente como nós. Muita gente vê ‘Ligações Perigosas’ como uma história de luxúria, mas eu vejo muito mais como uma história do casal Mariana e Augusto, da vitória do amor sobre a luxúria. Lidamos com sentimentos muito profundos desses personagens. Esperamos que o público se identifique com o que estamos mostrando aqui e, de uma forma mais delicada e profunda, com esses sentimentos que são importantes para todos nós.

 

Perfis dos personagens
Isabel D´Ávila de Alencar (Patricia Pillar) – Viúva do Marquês D´Ávila de Alencar (Mário José Paz). Rica, amoral e manipuladora, é amiga íntima de Augusto (Selton Mello) e amante de Heitor Damasceno (Leopoldo Pacheco).
Augusto de Valmont (Selton Mello) – Amigo íntimo de Isabel (Patricia Pillar) e sobrinho de Consuêlo (Aracy Balabanian), é um bon vivant e conquistador. Envolve-se com Cecília (Alice Wegmann) e Mariana (Marjorie Estiano).
Mariana de Santanna (Marjorie Estiano) – Casada com Clemente de Santanna, amiga de Consuêlo (Aracy Balabanian) e Iolanda (Lavinia Pannunzio), é íntegra e devota, mas não resiste a Augusto (Selton Mello) e se envolve com ele.
Cecília Mata Medeiros (Alice Wegmann) – Filha de Iolanda (Lavinia Pannunzio) e sobrinha de Isabel (Patricia Pillar), é ingênua, curiosa e tem personalidade forte. Fica noiva de Heitor (Leopoldo Pacheco), mas se envolve com Felipe (Jesuíta Barbosa) e Augusto (Selton Mello).
Felipe Labarte (Jesuíta Barbosa) – Gentil, correto e ingênuo, é amigo de Augusto (Selton Mello) e professor de música de Isabel (Patricia Pillar) e Cecília (Alice Wegmann). Ele se envolve com as duas.
Consuêlo (Aracy Balabanian) – Animada e agregadora, ama o sobrinho Augusto (Selton Mello) como um filho; é amiga de Mariana (Marjorie Estiano) e Iolanda (Lavinia Pannunzio).
Iolanda Mata Medeiros (Lavinia Pannunzio) – Tradicional e controladora, quer que a filha Cecília (Alice Wegmann) se case com Heitor (Leopoldo Pacheco). É prima de Isabel (Patricia Pillar), amiga de Mariana (Marjorie Estiano) e Consuêlo (Aracy Balabanian).
Heitor Damasceno (Leopoldo Pacheco) – Comerciante rico e machista, é amante de Isabel (Patricia Pillar), mas pede a mão de Cecília (Alice Wegmann) em casamento.
Otávio Lemos (Danilo Grangheia) – Advogado sério e incorruptível, cobra uma dívida antiga de Isabel (Patricia Pillar). É pai de Astolfo (Darwin Del Fabro).
Astolfo Lemos (Darwin Del Fabro) – Filho de Otávio (Danilo Grangheia), retorna a Vila Nova depois de uma longa temporada em Paris. Artista performático, é conhecido na noite como Collete D´Ór.
Vitória (Alice Assef) – Leal e submissa, é criada de Isabel (Patricia Pillar).
Vicente (Renato Góes) – Criado de Augusto (Selton Mello), admira e imita o comportamento do patrão. Envolve-se com Júlia (Yanna Lavigne).
Júlia (Yanna Lavigne) – Criada de Mariana (Yanna Lavigne), é leal à patroa. Por ingenuidade, se envolve com Vicente (Renato Góes).
Adelaide (Vera Maria Monteiro) – Criada de Consuêlo (Aracy Balabanian).
Dos Anjos (Eunice Braulio) – Criada de Iolanda (Lavinia Pannunzio).
Sofia (Hanna Romanazzi) – Maliciosa, é amiga de Cecília (Alice Wegmann) no internato.
Padre Anselmo (Mario Borges) – Amigo de Consuêlo (Aracy Balabanian), frequenta a Quinta.
Madre (Camilla Amado) – Supervisora do internato onde Cecília (Alice Wegmann) e Sofia (Hanna Romanazzi) estudam.
Marquês D´Ávila (Mário José Paz) – Marido de Isabel (Patricia Pillar), morre quando ela ainda é muito jovem.
Emília (Keli Freitas) – Atriz de teatro, casada com José Alves (Ary Coslov), diretor do teatro da cidade. Livre e descolada, é uma das amantes ocasionais de Augusto (Selton Mello).
José Alves (Ary Coslov) – Diretor do teatro da cidade, casado com Emília (Keli Freitas).
Isabel jovem (Isabella Santoni)
Augusto jovem (Ghilherme Lobo)

A minissérie pode ser vista como a história de uma mulher que tem o orgulho ferido pelo amante e decide se vingar. Ou, para um olhar mais profundo, a trama oferece uma pesquisa maior sobre o ser humano e sua intimidade mais perversa, ao mesmo tempo em que nos confronta com a ingenuidade extrema e o poder transformador do amor. – Manuela Dias, autora.

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Taxas de câmbio USD: seg, 15 abr.

Advertisement

Advertisement

Categorias

plugins premium WordPress

You cannot copy content of this page