Paulo Hala é o presidente da Sanvall Enterprises, dona da Sanar Naturals, marca focada em saúde e beleza da demografia hispana há mais de 28 anos
Business

Dos negócios à corrida: um grande vendedor que negociou com 97 países

Por Fernanda Tótoli

Formado em Publicidade e Propaganda pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) no Brasil e graduado no Programa de Estratégia de Marketing para Consumidores da Kellogg School of Management, nos EUA, o brasileiro Paulo Hala possui uma carreira de sucesso no exterior.

Desde 2016, é o presidente da Sanvall Enterprises, dona da Sanar Naturals, marca focada em saúde e beleza da demografia hispana há mais de 28 anos – segmento que cresce fortemente nos EUA. Mas sua trajetória internacional começou em 2001. Após dez anos na P&G no Brasil – “uma empresa que mudou o conceito do que era vender no país. Tínhamos concorrentes que estavam no mercado há 50 anos e chegamos com uma estratégia nova”, conta Paulo –, foi convidado a mudar-se para os EUA pela Fleet Pharmaceuticals. O estado era a Virgínia e o choque foi maior do que esperava. “Foi uma decisão difícil, em três semanas após receber a proposta, eu já tinha que me mudar. E embora eu já tivesse experiência em trabalhar com americanos na P&G, foi muito complicado me desvincular de uma empresa que representava marcas fortes e recomeçar em um novo desafio”, explica Hala. “Imagine sair de São Paulo direto para uma cidade no interior dos Estados Unidos com 150 mil habitantes e entender como funciona toda a cultura do local? De uma equipe de 30 pessoas, eu passei a gerenciar uma turma com apenas dois funcionários. E a língua? A gente acha que fala inglês até o momento que vai morar no país”.
Após o período de adaptação, a carreira começou a fluir. Na Fleet ficou até 2009, foi diretor executivo pela companhia na Itália e América Latina e gerenciou equipes com mais de 50 profissionais em negócios na Europa, Oriente Médio e África. “Mais uma vez, aprendi a me adaptar a diferentes modos de trabalhar. Na Itália, por exemplo, os trâmites para negócios são menos objetivos. Na Inglaterra já é um pouco mais desenvolvido. Visitei 97 países e isso me ajudou muito a entender cada tipo de consumidor”, conta Hala.

Dessa época até os dias atuais, e já de volta aos EUA, uma vasta lista de grandes empresas passaram a fazer parte do currículo de Paulo. Diretor executivo da Worldwide Marketing Co e diretor geral da Florida Blue são algumas delas. Essas experiências fizeram parte da trajetória de Hala até 2012, quando assumiu um novo desafio como diretor de Marketing e Vendas da Florida Supplement, fabricante e embaladora de nutracêuticos, na qual chegou a exercer o cargo de vice-presidente de Desenvolvimento de Negócios em 2016, o que lhe possibilitou tornar-se sócio da sua atual empresa.
A Sanvall Enterprises / Sanar Naturals está no mercado desde 1992 servindo consumidores com produtos naturais e ervas de qualidade superior. “A empresa foi criada por um cubano que visualizou, anos atrás, a força da população latina no território americano, o mercado que mais cresce no país”, explica Hala. “Só para dimensionar um pouco essa força, a previsão é que em 2030 se fale mais línguas latinas do que o inglês, o que não é nenhuma surpresa, visto que hoje existe um nicho de 60 milhões de hispânicos documentados nos Estados Unidos, sendo 65% somente em três estados: Califórnia, Texas e Florida”, completa.
Do imprevisto a empresário – Por ironia do destino, Paulo nunca desejou trabalhar com vendas e seguir a carreira do seu pai. Ainda na faculdade, sonhava com o trabalho de criação publicitária. “Desde criança, eu dizia que seria publicitário, era considerado muito criativo, mas a vida empurra a gente para um destino diferente. Ainda durante a universidade, vi e me interessei por muitas coisas sobre os EUA. E uma delas foi a P&G, com a qual comecei a sonhar em trabalhar quando me formasse. Em 1991, após a crise econômica no Brasil, o máximo que eu consegui foi participar de um processo de seleção, mas durante a entrevista viram que eu não tinha conhecimento em inglês necessário. Me ofereceram então um trabalho para a área comercial e, como eu queria muito entrar na empresa, topei o desafio”, conta. E embora o destino tenha lhe pregado alguns imprevistos, nas palavras do próprio Hala, estes dez anos na P&G, em um setor que, até então, não fazia parte dos seus planos para o futuro, fizeram uma grande diferença no seu desenvolvimento como profissional. “A P&G chegou ao Brasil mostrando um novo conceito do que era vender. Todo o trabalho tinha um planejamento, cujo objetivo não era só repor o produto na prateleira. Explicávamos para o cliente como expor o produto, como relacioná-lo à necessidade do consumidor, um processo de médio a longo prazo que fez com que a empresa ganhasse muito respeito e, consequentemente, fez com que seus funcionários conhecessem e adquirissem experiência de uma nova visão de negócios, um processo que já era comum nos Estados Unidos e Europa, mas ainda era novo no mercado brasileiro”, conta.

Hoje, após ter viajado o mundo inteiro a trabalho e morar em algumas regiões dos Estados Unidos, Paulo se fixou há nove anos em Miami, de onde gere seu negócio próprio de perto. Devido ao nicho do mercado que a empresa tem como foco, continua mantendo muitas relações com o público brasileiro além do México que, juntos, representam cerca de 75% do mercado latino no país. Foi também, devido à sua nacionalidade, que sentiu a relação de trabalho bem construída ao longo de sua carreira. “Mesmo com todas as dificuldades que o Brasil enfrenta, ser brasileiro ainda abre muitas portas, ainda somos vistos como um povo respeitado pela experiência e pelo jeito mais espontâneo de ser”, explica. “A vida profissional me trouxe para a Flórida e hoje é aqui a minha casa. Durante muitos anos, devido às mudanças constantes por causa do trabalho, não constituí família. Até reencontrar, depois de 35 anos, Silvia, minha esposa, que foi minha colega de colégio e de P&G. Quando meu filho nasceu, decidimos ficar”.

O filho, André, hoje tem 9 anos de idade e é um personagem importante de outro episódio bem curioso na vida de Hala. Por causa da rotina profissional atarefada, Paulo conta que permaneceu sedentário durante 25 anos. Um dia, poucos anos atrás, enquanto levava o menino à escola, ouviu a pergunta: “Pai, quando eu tiver a sua idade, quantos anos você vai ter?”. E assim que Paulo fez os cálculos, ainda teve que ouvir mais uma: “Você vai estar vivo?”. Foi o ‘clique’ para que ele repensasse sua postura diante de como estava vivendo. A decisão tomada então foi a de contratar um profissional de educação física e começar a, literalmente, se mexer. O resultado: encontrou na corrida uma de suas maiores satisfações, eliminou 30 Kg em três anos e ganhou muito mais disposição e saúde. O que era para ser um planejamento de bem-estar físico alcançou metas maiores e Hala já correu a Maratona de São Silvestre no Brasil, a Meia Maratona em Nova York e em Miami. Sobre essa nova paixão, o empresário tem uma satisfação única ao falar: “O mais legal de praticar corrida é usar esse momento para pensar em absolutamente nada! São duas horas de treino para limpar a mente e relaxar. Mas sem nunca deixar de lado novas ideias profissionais, afinal, a corrida, para mim, é como o mundo dos negócios: você se planeja, se prepara e treina muito para alcançar com louvor a linha de chegada”, conclui.

You cannot copy content of this page