Cinema Programe-se

7 telefilmes clássicos da Globo chegam ao Globoplay EUA

Sending
User Review
0 (0 votes)

‘O Canto da Sereia’, ‘A Teia’, ‘Dercy de Verdade’, ‘Dalva & Herivelto – uma canção de amor’,’Lampião e Maria Bonita’, ‘Força Tarefa’ e ‘Anos Dourados, entram para o acervo da plataforma 

Para relembrar grandes sucessos da teledramaturgia nacional,  a Globo lançou o ‘Luz, Câmera 50 anos’, em 2015, em celebração ao seu cinquentenário. O projeto faz uma releitura de obras emblemáticas, que foram extraídas de séries, minisséries e seriados de sucesso e reeditadas em formato de telefilme. Sete títulos da coletânea acabam de chegar ao Globoplay nos EUA: ‘O Canto da Sereia’, ‘A Teia’, ‘Dercy de Verdade’, ‘Dalva & Herivelto – uma canção de amor’, ‘Força Tarefa’, ‘Lampião e Maria Bonita’ e o clássico ‘Anos Dourados’. Eles se juntam a dois telefilmes do projeto, “Maysa – quando fala o coração’ e  ‘As Noivas de Copacabana’, que já fazem parte do acervo da plataforma.

Baseada no romance de Nelson Motta, O Canto da Sereia’ traz os bastidores da vida da personagem Sereia, uma grande estrela da música pop, assassinada no alto de um trio elétrico, durante a sua apresentação em uma terça-feira de Carnaval, em Salvador. Dinheiro, fama, inveja, idolatria, suspense, mistério, amor e ódio se enredam na teia de segredos da trama contemporânea. A série exibida em 2013, foi dirigida por José Luiz Villamarim e escrita por George Moura e Patrícia Andrade, com atuação de Isis Valverde, Marcos Palmeira, Camila Morgado e Gabriel Braga Nunes, entre outros. 

Já a série policial ‘A Teia’, relançada em formato de telefilme, é inspirada na rotina de ações criminais de Marco Aurélio Baroni, que tenta escapar das investigações do delegado Jorge Macedo, conhecido por seus métodos nada convencionais. Exibida em 2014, teve autoria de Carolina Kotscho e Bráulio Mantovani e direção de Rogério Gomes e Pedro Vasconcelos.

Em 2012, foi ao ar ‘Dercy de Verdade’. A minissérie foi escrita por Maria Adelaide Amaral, com a colaboração de Leticia Mey, baseada no livro “Dercy de Cabo a Rabo”, de autoria própria, com direção de Jorge Fernando. A obra mostra, de forma resumida, toda a história de vida da comediante Dercy Gonçalves.

Também reeditada como telefilme,  ‘Dalva & Herivelto – uma canção de amor’ é uma turbulenta história de amor entre dois grandes representantes da época de ouro do rádio no Brasil. Dirigida por Dennis Carvalho, a minissérie recebeu elogios pela impecável reconstituição de cenários e figurinos, inclusive dos números musicais. Também foi aclamada pela eficiente contextualização de época, com referências, entre outras, aos governos de Getúlio Vargas e Gaspar Dutra, ao fechamento dos cassinos e ao surgimento da televisão. Foi exibida em 2010, sob o gênero musical e autoria de Maria Adelaide Amaral, Geraldo Carneiro e Leticia Mey.

O seriado investigativo ‘Força-Tarefa’, que tem Murilo Benício e Milton Gonçalves como personagens principais, desvenda o desaparecimento da esposa do Capitão Wilson da corregedoria da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. A obra também virou filme em 2011.

De 1982, ‘Lampião e Maria Bonita’ representou, na época, a renovação da linguagem da teledramaturgia brasileira. É um drama histórico que se passa no sertão nordestino e conta a vida de Lampião, o rei do cangaço, e sua mulher, Maria Bonita. Com autoria de Aguinaldo Silva e Doc Comparato, foi vendida para seis países e reapresentada três vezes na programação. A direção foi de Paulo Afonso Grisolli e Luiz Antônio Piá.

Em 1986, Gilberto Braga escreveu sua primeira minissérie, convidando Malu Mader e Felipe Camargo para serem os protagonistas de ‘Anos Dourados’. A obra, agora também disponível na plataforma em formato de telefilme, retrata a rigidez das regras de conduta na formação dos jovens. A história de amor de uma normalista por um estudante do Colégio Militar foi vendida para mais de 20 países e reapresentada duas vezes. A direção foi de Roberto Talma e Daniel Filho.

Fotos:

Dalva (Adriana Esteves) e Herivelto (Fábio Assunção). Crédito: TV Globo / João Miguel Júnior

Comente

Clique aqui para comentar

You cannot copy content of this page
X