Destaques Entrevistas

Liliana Kawase – Quando a paixão pelo cinema vira negócio

Por Fernanda Tótoli

“Desde adolescente, sempre amei ir ao cinema, assistir filmes, participar de festivais, acompanhar os lançamentos. Cinema é algo que sempre esteve muito presente na minha vida”. A resposta de Liliana Kawase quando questionada sobre o início da sua carreira no mercado do cinema e produções audiovisuais mostra como é sua paixão pelo trabalho. Liliana é produtora executiva da Titanio Films desde julho de 2019, um “braço” nos EUA da Titanio Produções, empresa brasileira do diretor e produtor Tiago Arakilian, mais de 15 anos de trajetória.

Engenheira elétrica formada pela UFRJ com mestrado e doutorado pela PUC do Rio de Janeiro, Liliana mudou-se definitivamente para o país em 2010 devido ao trabalho do marido. Morou inicialmente em Nova York e após um ano foi para Miami, onde vive hoje. “Adotamos a Flórida como a nossa casa. Meus filhos fizeram o high school aqui e adoramos cada canto e o clima da região”, conta. “Quando saí do Brasil há 16 anos, eu não pude exercer a minha profissão por conta dos meus filhos e da exigência do visto de trabalho. Meus filhos cresceram e quando eles foram para a universidade eu comecei a buscar algo para fazer que me desse satisfação. Voltar para a engenharia era quase impossível pois fiquei muito tempo afastada e estava totalmente obsoleta para isso. Então eu me perguntei: por que não trabalhar naquilo que eu sempre gostei, justamente agora que eu tenho o tempo livre que nunca tive?”, explica.

Foi neste momento que o cinema, aquela paixão da adolescência, voltou à vida de Liliana. E também uma série de coincidências do destino conspiraram a favor. “Assisti uma entrevista da escritora e roteirista Luísa Parnes na televisão e decidi fazer o curso de roteiristas com ela em NYC. Por uma coincidência do acaso, descobri que uma amiga de Miami, Liana Rivas, era tia da Luísa e era muito próxima de três mulheres que estavam à frente do Circuito Inffinito de Festivais de Cinema. Fui apresentada a elas e fiquei muito impressionada com a paixão, empenho e capacidade das três sócias, Adriana Dutra, Claudia Dutra e Viviane Spinelli. Naquele mesmo ano de 2018 me tornei uma das patrocinadoras do 22o Miami Inffinito Film Festival. No ano seguinte meu envolvimento aumentou e além de patrocinadora, fui uma das curadoras do festival” relata Liliana. Desde então, seu nome – e, posteriormente, da Titanio – estiveram sempre atrelados à realização do Festival de Cinema Brasileiro que acontece anualmente no país (este ano, devido à pandemia, o evento terá um formato mais enxuto e virtual, cujos detalhes da programação podem ser vistas em matéria especial nesta edição da Acontece Magazine).

O nome de Luisa Parnes também faz parte da história no momento que Liliana se tornou sócia da Titanio, em 2019. “Quando a conheci, o seu primeiro longa-metragem como roteirista, “Antes que eu me esqueça”, tinha acabado de ser lançado e estava fazendo muito sucesso. Eu me apaixonei pelo filme e quis abraçar esse projeto. Foi então que conheci o Tiago Arakilian e logo estabelecemos uma parceria. Além de me tornar sócia comercial dele, passei a representar culturalmente o filme em vários festivais internacionais de cinema”. “É um mercado apaixonante. Entrei neste mundo e acho que não saio mais!”, completa.


Foto: Flávio Iryoda
Direção: Antonio Martins
Styling: Liandra Salles
Beauty: Rogelio Gonzalez para
Red Market Salon Bal Harbour Shops Retoucher: Igor Sampaio
Look: Camisa Silvia Tcherassi, calça beige NYBD, joias H. Stern

Um pouco da Titanio

A Titanio Produções co- produziu e pós-produziu mais de 35 filmes, entre longas metragens e documentários, séries e programas de TV e outros tipos de mídia. E em meados de 2019, resolveu levar essa expertise para os EUA. “Antes que eu me esqueça”, citado acima, também é considerado por Liliana como um dos grandes momentos da produtora. “Foi o primeiro longa do Tiago como diretor, teve um sucesso enorme e projetou o seu trabalho no circuito internacional”, conta. A partir desse filme, surgiu a oportunidade da Titanio expandir para os EUA e também França, com a recém criada Titanio Films. A abertura da produtora fora do Brasil permitiu usufruir dos incentivos fiscais existentes para o setor e elevar suas produções a um patamar internacional. “Exemplos disso foram a co-produção da série de documentários chinesa KIDS & GLORY e um seriado para a TV na Europa chamado Expats que mostra a vida de diversos expatriados que impactaram positivamente a vida cultural de cidades espalhadas pelo mundo. A primeira temporada está sendo filmada em Paris, em um esquema mais compacto e criativo devido à pandemia, mas o resultado está maravilhoso. Já conseguimos garantir a 2a temporada em Londres e os trabalhos continuam acontecendo”, comemora a executiva.

Perspectivas pós-pandemia

Liliana acredita que os próximos dois anos serão bem difíceis para toda a indústria do cinema, pois enquanto a vacina não for viabilizada, a política do distanciamento social criará várias dificuldades para a produção audiovisual no modelo que conhecemos até então. Mas nem por isso, a perspectiva é negativa: “É uma indústria que requer uma equipe grande se quisermos qualidade, que requer proximidade e contato físico para poder contar uma boa história. Obviamente ninguém vai ficar parado por tanto tempo e por isso várias ideias criativas estão surgindo como a mistura de filmes de desenho animado, muita animação, digitalização, produções mais enxutas e com equipamentos mais compactos de alta qualidade. Está sendo uma época muito produtiva para novos projetos e planejamento. Assim que voltarmos ao novo ‘normal’ poderemos colocar a mão na massa e muita coisa boa vai sair do forno”, acredita.

“É claro que o consumo da cultura exige a presença física. Shows e concertos de música, teatro, museu, cinema, todas essas formas de expressão artística para serem apreciadas plenamente exige uma presença física. Aquele arrepio, a vibração, o olho no olho só acontece ao vivo. É uma questão de pele, é inerente ao ser humano a necessidade do contato social”, completa. “Quando tudo isso acabar, acho que veremos uma mistura das coisas boas do passado com as coisas boas que surgiram por conta da pandemia. Dizem que a criatividade fica mais aguçada em tempos de escassez e dificuldade e é exatamente isso que está acontecendo. Teremos processos de produção mais enxutos, eficazes e planejamento mais cuidadoso. Está sendo uma oportunidade para repensar os processos, cortar as gorduras, aprimorar a produção. Essa pausa forçada está obrigando todos nós a sermos mais

conscientes em todos os aspectos da produção e nos dando tempo para poder pensar com mais critério e cautela”, relata. Mas apesar da falta do calor humano, a crença é de que o futuro da indústria será uma mescla do presencial com o virtual, que também tem suas vantagens: “A mistura dos dois formatos vai permitir um público ainda maior, alcançar um público de forma mais democrática. Nem todo mundo tem dinheiro, tempo e influência para ir a um grande festival de cinema, mas pode ter acesso através de streamings. Acho que vai ser como um grande evento esportivo onde há o jogo ao vivo acontecendo com ingressos caríssimos, mas há também a transmissão ao vivo e a possibilidade de assistir mais tarde quando for mais conveniente ao telespectador. No futuro, a boa dosagem dos dois formatos vai proporcionar o surgimento de algo ainda mais especial, o melhor dos dois mundos”, finaliza com otimismo.


Foto: Flávio Iryoda
Direção: Antonio Martins
Styling: Liandra Salles
Beauty: Rogelio Gonzalez para
Red Market Salon Bal Harbour Shops Retoucher: Igor Sampaio
Look: Top NYBD, saia Reiss, sandália Manolo Blahnik e joias H. Sternhttps://issuu.com/acontecemagazine/docs/aco-set_2020_web
You cannot copy content of this page