Vida e Saúde

A milenar tuberculose: estamos perto de sua erradicação?

Contabilidade
Sending
User Review
0 (0 votes)

Tuberculose e alguns tipos de câncer, como o de colo do útero, podem estar com os dias contados, a partir de políticas públicas de prevenção e testagem em larga escala dos quadros populacionais

No mês de abril, onde celebra-se oficialmente o Dia Mundial da Saúde, torna-se imprescindível uma forte reflexão sobre os cuidados e prevenção às doenças de maior incidência global, responsáveis pelo impacto no bem-estar e qualidade de vida dos seres humanos. Além de toda conscientização sobre os bons hábitos alimentares e a prática constante de atividades físicas, a data configura uma ocasião propícia para mobilizar governos e autoridades de saúde sobre as práticas adotadas localmente, inclusive no que diz respeito ao rastreio de doenças previsíveis, curáveis e que muitas vezes podem ser evitadas, como a tuberculose e alguns tipos de câncer, entre eles, o de colo do útero.  

A milenar tuberculose: estamos perto de sua erradicação?  

Considerado um problema de saúde pública mundial pela própria OMS, a doença foi responsável por 1,6 milhão de óbitos em 2021. No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, em 2021 foram 74.385 novos casos da doença, sendo mais de 5 mil deles, fatais – um percentual 11% maior quando comparado ao período de 2020. Em 2022, os índices de contaminação foram ainda maiores, ultrapassando o marco de mais de 78 mil novos casos.  

“As metas de erradicação da tuberculose, que segundo a OMS deveriam ser cumpridas até 2030, sofreram, de fato, um grande atraso em virtude da pandemia. Tivemos casos subnotificados, redução na oferta e procura por diagnósticos e tratamentos. Para que esse objetivo seja cumprido, uma das medidas mais efetivas de conter essa transmissão e sanar suas ocorrências se dá pelo diagnóstico e tratamento precoces da tuberculose ativa e da prevenção reativa da patologia, através do tratamento da infecção latente (ILTB), quando ainda não apresenta sintomas”, destaca Paulo Gropp, VP da QIAGEN na América Latina, multinacional alemã especialista em tecnologia para diagnósticos moleculares. 

 Para fazer esse rastreio efetivo nos quadros populacionais, o executivo destaca que um dos meios mais precisos, analisados e recomendados pela OMS é o teste IGRA, ou ensaio de liberação de Interferon-gama. “É um teste sensível, específico e objetivo, realizado com uma pequena amostra de sangue e que requer apenas uma visita ao médico, apresentando resultado rápido e seguro, com a precisão de testes laboratoriais. O que talvez muitas pessoas não saibam e cabe a nós trazer essa conscientização, é que esse tipo de exame está disponível à população brasileira pelo SUS e em todos os planos de saúde”, complementa.  

HPV e o câncer de colo do útero  

Considerado o terceiro tipo de câncer mais comum entre as mulheres, excluídos os tumores de pele não melanoma, o câncer de colo do útero tem entre seus principais causadores o vírus do HPV. De acordo com dados do INCA – Instituto Nacional do Câncer –, são esperados mais de 17 mil novos diagnósticos da enfermidade ainda neste ano de 2023; um índice de risco em torno de 13,25 casos para cada 100 mil mulheres. 

“Uma das maneiras mais efetivas de diagnóstico é o monitoramento frequente da presença do vírus no organismo. Embora 90% dos casos de HPV representem uma contaminação transitória, onde o próprio sistema imunológico consegue se defender, o risco aumenta quando a presença do patógeno prolonga-se e acaba por gerar lesões no colo do útero, que se tornam feridas e evoluem de forma maligna”, explica Gropp. 

Além dos exames mais comuns como a colposcopia e o Papanicolau, que identificam alterações nas células do útero por diferentes causas, existe um teste molecular muito mais sensível, capaz de detectar o DNA do vírus, antes mesmo do surgimento da lesão inicial: a Captura Híbrida. 

 Embora o exame esteja disponível às mulheres brasileiras apenas no sistema de saúde privado, ou seja, para mulheres que possuem planos de saúde, o executivo destaca a importância dessa disponibilidade a um número maior de pacientes, como as que fazem seus acompanhamentos pelo SUS.  

“Milhões de mulheres já realizaram a captura híbrida e muitas vidas já foram poupadas pela contribuição dessa tecnologia. E é neste ponto que pedimos a atenção das autoridades em saúde. O câncer de colo do útero é totalmente previsível, os avanços tecnológicos têm nos ajudado com isso. É preciso fazer uma profunda análise sobre o quanto diminuiria a sobrecarga do sistema público, inclusive financeiramente, ao adotar essas ferramentas de prevenção e evitar que novos casos de câncer sejam manejados. Os ganhos são ainda maiores para as mulheres, que têm sua saúde física e mental poupadas, pelo fato de não terem que enfrentar esse diagnóstico”, conclui Gropp. 
 

Sobre a QIAGEN 
 

A QIAGEN é uma multinacional alemã, especialista em tecnologia para diagnósticos moleculares. Com mais de 5.300 colaboradores distribuídos em 25 países, a empresa oferece um portfólio de mais de 500 produtos entre kits consumíveis, instrumentos e bioinformática, que atendem às diversas necessidades globais, desde pesquisas acadêmicas a aplicações de saúde de rotina. Para mais informações, acesse: https://www.qiagen.com/us/

Advertisement

Agenda de Eventos Acontece

Taxa de câmbio

Taxas de câmbio USD: sáb, 20 abr.

Advertisement

Advertisement

Categorias

plugins premium WordPress

You cannot copy content of this page