btn facebook  btn youtube  btn twitter  btn google plus  acontece instagram  acontece issuu

 

Acontece Magazine
btn facebook   btn youtube   btn twitter  btn google plus  acontece instagram  acontece issuu
acontece logo darkred
Acontece Mag 20190615 Cronica 11
Guloseimas e infância

Por Nilson Lattari
O garoto entrou na loja, praticamente puxando o pai pelo braço, e com o dedo em riste apontava para as bolas...

Acontece Mag 20190607 Olhos 10
Comendo com os olhos

Crônica por Nilson LattariComemos com os olhos, abrindo desmesuradamente as pupilas como se o mundo não fosse suficientemente...

Acontece Mag 20190531 Livros 10
Existem livros

Cronica por Nilson Lattari
Mesmo que em sua estante existam aqueles livros clássicos, de Machado a Eça, dos autores russos, dos...

Acontece Mag 20190531 Mao 10
Não, a palavra mágica

Cronica por Nilson Lattari
A primeira palavra mágica que eu aprendi na vida foi o Não. Ela sempre foi a solução para todos os dilemas:...

Acontece Mag 20181220 Inesquecivel 10
Um amor inesquecível

Crônica por Nilson Lattari
Era preciso esquecer aquele amor. Isso era tudo que Sônia desejava. Enquanto seu coração pedia o esquecimento,...

previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow
Slider

 

 

Amar, multiplo de ex

Amar, multiplo de ex

07/19/2019 Acontece Magazine
Crônica por Nilson Lattari Quantas vezes é possível amar? Digamos que uma vez amei Maria,…
Eu sei que dá medo

Eu sei que dá medo

07/08/2019 Acontece Magazine
Cronica por Nilson Lattari Quando lemos, ouvimos, conversamos com aqueles que divergem da…
Entre a Verdade e a Fé

Entre a Verdade e a Fé

07/08/2019 Acontece Magazine
Por Nilson Lattari Fé é um sentimento onde se crê sem nunca ter ouvido, sem nunca ter…

 

BLOG NILSON LATTARI - MAIS LINKS...
Dormir com ela
05/13/2019

Dormir com ela

Crônica por Nilson Lattari Não consigo passar a noite sem ela, eu juro, ao dizer isso. Quando a escuridão da noite se aproxima eu penso na próxima etapa, e ainda com os olhos arregalados eu olho através do…
A Viagem
05/05/2019

A Viagem

Crônica por Nilson Lattari E assim, quando eu adoecia, sua mão fria pousava na minha fronte aquecida e era como um bálsamo que me trazia o remédio que nenhum outro remédio podia acalentar. De outra vez, era…
mãos dadas
05/03/2019

De mãos dadas

Crônica por Nilson Lattari As mãos dadas são dadas a cada um que se proponha a conduzir alguém. De mãos dadas, um homem e uma mulher saem do altar, uma mãe conduz, emocionada, um filho no primeiro dia de aula,…
As perguntas não devem se calar
04/29/2019

As perguntas não devem se calar

Cronica por Nilson Lattari Se perguntar não ofende, por que há tanta timidez em se perguntar algo? A timidez é responsável, talvez, pela culpa em não se querer perguntar. A vergonha em admitir que não entendeu…
A viagem no tempo
04/06/2019

A viagem no tempo

Cônica por Nilson Lattari Arrumando o armário, por esses dias, uma quantidade de negativos caiu sobre mim, e me perdi revendo fotos antigas. Aliás, nestes tempos tecnológicos, é bom esclarecer que: negativo é…
A chuva
03/29/2019

A chuva

Crônica por Nilson Lattari Existe algo mais democrático do que a chuva? Ou tão democrático quanto ela? Ela pode chegar de mansinho e derramar suas lágrimas igualmente. Ela pode chegar torrencialmente e afogar…
De volta para o aconchego
03/22/2019

De volta para o aconchego

Cronica por Nilson Lattari Aconchego é chegar a algum lugar, seja na porta de casa, na presença da pessoa apaixonada, no coração querido. Aconchego é a reza escondida que conforta a alma, declamada baixinho no…
Amantes
03/11/2019

Amantes

Crônica por Nilson Lattari Não eram tão jovens, alguns diriam que beiravam a meia-idade, esta idade que não está em lugar nenhum, uma fronteira imaginária onde não se está mais na juventude, tantas vezes…
O primeiro beijo
03/01/2019

O primeiro beijo

Crônica por Nilson LattariVamos lembrar do nosso primeiro beijo? Você roubou, ele foi dado? Foi surpreso, inesperado?Quantas fantasias existem no primeiro beijo. Vamos relembrar?Foi num encontro de olhares,…
A vela e o fogo
02/25/2019

A vela e o fogo

Crônica por Nilson Lattari A vela é somente vela quando tem o fogo a tremelicar com o vento. Desenha formas desordenadas nas paredes, dá vida ao breu, entretém as pessoas, e é o motivo de brincadeiras de…
Veja todas as máterias dessa categoria

 

Amar, multiplo de ex
Amar, multiplo de ex

Crônica por Nilson Lattari

Quantas vezes é possível amar? Digamos que uma vez amei Maria, e Maria me deixou, depois amei Joana, que, dessa vez, eu deixei, e por tantas vezes amei e fui amado e deixei e fui deixado. Então é possível que amando tantas vezes, também seja possível amar muitas vezes, e ao mesmo tempo, tantas Joanas e Marias que apareçam. E multiplicamos nossos amores e marcamos na memória, como o pistoleiro que marca sua arma, para cada presa abatida.

Certo. Digamos que uma amiga ou amigo é tão amigo e amiga que a amizade por tantas vezes multiplicada seja quase amor, confeitada com muita simpatia, com o devido espaço entre corpos. Podemos separar amor de amizade? Possivelmente, desde que não queiramos transformar amizade em amor, onde amor se transformar em amizade... aí, talvez, a coisa se complique e, em vez de multiplicar, divida.

Podemos estar com alguém e amar outras ou outros, pelos detalhes que nos falte ver na pessoa amada da vez. Uma forma de falar, compreender, ouvir, sorrir, acariciar e tantas qualidades faltam na pessoa que amamos e conseguimos ver, ou imaginar, que existam em outros ou outras tantas.

Ficamos com as nossas amadas e amados até que a morte ou um problema bem grave nos separe, e abrimos nosso coração de imediato para os outros amores para os quais lançamos pensamentos e olhares.

Depois da tempestade vem a bonança, ou depois de um fora bem-dado, nosso coração se abre para outros lados com esperança. Já disse Hegel que o segundo casamento, ou relacionamento, é a vitória da esperança sobre a realidade. Sempre acreditamos que o amor mora ao lado, ou na primeira troca de olhar no passear descontraído pelas calçadas. Uma troca de sutilezas, de convites para um café e novamente o amor se descabela, e se lança direto sobre o coração dele ou dela.

Podemos, sim, amar vários ou várias, de idades diferentes e variadas. Mas, o que nos leva a permanecer ao lado daquela que é bonita porque está em nossa companhia, disse Vinícius?

Amores são ganhos, imagina o conquistador barato, e como barato sai caro ele colhe muito mais perdas e danos. Amamos muitas vezes, e ficamos, com certeza, com aquele ou aquela que compreende nossas manias, defeitos e enganos.

Foto: Nicholas Gercken - Unsplash

 

Eu sei que dá medo
Eu sei que dá medo

Cronica por Nilson Lattari

Quando lemos, ouvimos, conversamos com aqueles que divergem da atual política, da atual situação, sentimos medo, eu sei, das argumentações que nos parecem tão precisas, cortantes, de que a opção pela política social é errada. Principalmente daqueles que receberam o peixe até ficar bem grandinhos, mas mandam para os outros que devam aprender a pescar. E, nessa questão do peixe, também podemos incluir uma cabeça melhor para os estudos, uma família razoavelmente organizada, não desestruturada, com pais omissos, mães solteiras etc.

Será que estamos errados? Que o mundo deva funcionar com a livre iniciativa, lições de grandes homens, capitães de indústrias, aqueles que tiveram sucesso empresarial e que, portanto, estão a cavaleiro para demonstrar as grandes oportunidades?

O que são histórias de sucesso, de tanto sucesso que podem subir nas tribunas e dar lições de moral a todos?

Se vários funcionários de grandes empresas, de pequenos empresários, que alcançam o sucesso funcionam por que não tentarmos todos a livre iniciativa, livres dos empregos públicos, das estatais?

Na verdade, dos vários funcionários que chegam à presidência, ou ao sucesso nos negócios, contamos uma centena, talvez milhares que não chegam. Simplesmente porque uma simples conta matemática resolve: só existe um presidente em cada empresa, e só existe um ou poucos empresários que acham o seu nicho de mercado. Não se enganem, uma questão de sorte ou azar, contadas em prosa e verso como fórmulas perfeitas, mas não copiáveis. Caso isso fosse verdade, seria somente copiar e comemorar.

Talvez a história, a verdadeira história seja aquela que os derrotados tenham para contar. Ninguém liga para os motivos que alguém foi derrotado, mas, ali estão as lições do como não fazer.

Relatar grandes feitos de grandes homens não é vantagem nenhuma, é contar simplesmente a História. Mais valeram as grandes derrotas e as grandes decepções e as comemorações longe dos holofotes daqueles que deram força ao grande nome. Ninguém é dono da História, e também ninguém é suficientemente grande para determinar a um povo qual o caminho que deva escolher.

Portanto, o discurso é apontar a falha do outro, comparando com o seu sucesso, que é individual, de si mesmo, e não se pode a partir dele determinar a todo um povo que somente exista uma vontade, um caminho determinado.

Citam, muitas vezes, Maquiavel, um manual de embuste que tenta dar ares de moralidade a uma imoralidade política que é um tirano, assim como o Contrato Social que não passou de uma maneira de organizar a sociedade para que tudo seja “bom para os negócios”. Ou a uma bem-vinda organização matemática cartesiana.

Todorov, em sua Conquista da América – a visão do outro, define muito bem quando os espanhóis chegam ao continente e encontram um povo que não tem como princípio de vida “o que eu quero ser”, libelo de uma sociedade organizada para que haja vencedores, mas um povo que consultava oráculos para que seus rebentos soubessem o que eles “deveriam ser”, a partir de um adivinho. E era uma sociedade que funcionava, apesar dos sacrifícios humanos, que eram numericamente inferiores ao massacre que sofreram dos conquistadores, por motivos bestiais e desumanos.

Medo do outro discurso? Eu acho que não. Como se pode ter medo de um discurso que prega a natureza humana dividida como o reino animal onde existem as águias e as formigas, o leão e o lobo? Um discurso que esquece que somos todos iguais, baseados no primeiro Contrato Social: os Dez Mandamentos.

Essa sociedade, finamente organizada, matematicamente predestinada a colocar cada um no seu lugar, se esconde atrás do discurso do medo, esse sim um discurso difuso e covarde.

É difícil nos desprender deste temor. Afinal foram séculos de raciocínio na base da razão, do custo e benefício, do vestir a camisa, trabalhar em equipe. Os pretensos donos da verdade têm medo de que a dispersão desse discurso torne cada um de nós provedor de nós mesmos, e a competição real nos iguale, e alguns discursos de vitoriosos se transformem em vitórias de Pirro, expostos à concorrência e reduzidos da genialidade à mediocridade.

Foto: Clem Onojeghuo - Unsplash

 

As cidades
As cidades

Crônica por Nilson Lattari

As cidades guardam dentro de si mais do que ruelas apertadas, ruas largas, avenidas, janelas, carros parando nos sinais para as gentes apressadas, e seguirem depois em loucas disparadas.
Cidades são olhos nos olhando do alto dos edifícios. Espionando por fora de outros olhos que se escondem por trás de cortinas, vidros fumegados, óculos escuros em andares pendurados.
O que a cidade enxerga? Como ela nos vê?

As cidades nos comprimem no amontoado de pessoas, a se encontrarem sem carinho no esbarrar de ombros, encontros casuais de mãos. As suas ruas estreitas parecem comprimir os seus lados e os paralelepípedos dos calçamentos ameaçam saltar no encontro deles. São escuras as ruas e amedrontadas à noite.

Lado a lado, casas que se espremem ao longo do calçamento de rua, em uma briga louca por espaço. Transeuntes noturnos, cobertos pelo manto da noite, pés encostados nas paredes a observar o nada, e, ao mesmo tempo, tudo. Pequenos rolos de cigarros a circular pelo ar, para encontrar as luzes da iluminação pobre, pirilampos de névoa a buscar a luz.

Luzes saindo de janelas, a fornecer o pouco de vida para a noite. Gritos, barulhos que ecoam pelo ar. Alguém grita, todos ouvem e não mexem um dedo. Apenas os olhos se movem: Morte.
A iluminação do dia traz os contornos mais nítidos. Barulhos de vendedores, apregoando a sorte que pode chegar, anúncios de pechinchas, lojas a oferecerem objetos em bancadas nas calçadas. Mulheres em seus trajes de passeio ondulam pelas vitrines, a admirar os objetos de desejo ou para se exibirem a si mesmas as roupas novas, outras passam apressadas para alcançar a hora de atendê-las, burburinho: Vida.

A chuva cai, de repente, a rua esvazia, a população se espreme nas marquises, igualando ricos e pobres. Democrática, brinda a todos com a mesma benção. A rua de seca passa a molhada, coloridos espelhos dos neons nas poças d’água, interrompendo o fluxo dos vidros espelhados. A cidade narcisa se vê refletida no líquido.

Um carro passa e mistura tudo.

Foto: Adrian Schwarz on Unsplash

 

Entre a Verdade e a Fé
Entre a Verdade e a Fé

Por Nilson Lattari

Fé é um sentimento onde se crê sem nunca ter ouvido, sem nunca ter falado, sem nunca ter visto: a Fé é cega. No entanto, a descoberta da Verdade é a sua procura, é o encontro com seus sentimentos, e, para uns, eles estão à flor da pele, ou escondidos sobre os escombros de interesses os mais mesquinhos. São dois momentos em que nos encontramos atualmente: a escolha entre a Fé e a Verdade.

Colocar a Fé a serviço de alguém, de alguma instituição é, muitas vezes, a revelação de uma fraqueza, de uma entrega para outrem das atribuições que deveríamos tomar rédea, é se colocar em uma zona de conforto. Entregar-se a discursos radicais, desde que solucionem nossos problemas, levados por nossos interesses pessoais, é ter fé na solução que os outros nos apresentam, desde que seja para submeter aqueles que nós excluímos como indesejáveis, por serem pobres, pretos, sem famílias, sem estruturas, com deficiências mentais, físicas, ou simplesmente têm um coeficiente intelectual que não atendam aos interesses do mercado, ou não nos sirvam.

A Fé é uma covardia, quando utilizada nos interesses do nosso conforto pessoal, e é por esse motivo que muitos aceitam as soluções vendidas por oportunistas, colocando os excluídos, e nesse instante, aqueles que escolhem seus estilos de viver gêneros, ocupações ou formas de viver. Entregar corações e mentes para discursos discriminatórios é, por isso, a covardia vestida de Fé.

A Verdade, no entanto, exige coragem para dizer, para defender, para se autocriticar, corrigir rumos, exigir mudanças, é se expor, contrapor, mostrar, e dando a cara para receber críticas. Para ser verdadeiro é preciso ter coragem. Porque o discurso da imposição, do conservadorismo, e, explico, que conservadorismo é mais do que nunca deixar ficar desse jeito, e não mudar o jeito para eu ter que dividir, aceitar aquilo que me ofende, ou que me proporciona esconder o que sinto, e me transforme em uma pessoa “de bem”, é o mais fácil, porque não exige a procura, somente a espera de um salvador, mesmo que espúrio.

O verdadeiro excluído é aquele que se exclui, que quer se mostrar como o correto, aquele que segue os ditames do bom comportamento, ou o que venha ser isto. E, para isso, tem que ter fé em alguém que faça e diga o discurso sujo onde se possa esconder as reais motivações. É claro que deva ser sempre alguém que possa ser descartado, e que o nome, o nome dos vivandeiros da fé não apareçam.

A Verdade é o que nos liberta, que nos faz encarar nossos medos, viver com nossos diferentes, aceitar que somos diferentes em algum momento ou lugar dentro de nós mesmos.

Procura a Verdade e ela vos libertará, mas não é a Fé que te salvará e sim os seus atos, incluindo suas atitudes, suas palavras, suas ações. O que serão atos da Verdade e os atos de Fé? O que o Mestre escolheu? A coragem ou a covardia?

 

 

Crônica por Nilson Lattari  O seu estilo era de namorar, desse estilo de andar de mãos dadas pelas ruas. E as lembranças que tinha das namoradas era a forma como as mãos se davam na caminhada. E, no entanto, não era disso o que mais recordava.  Enquanto se debruçava na janela, lembrava de Mariana, com seu jeito de princesa, deixando sua mão leve presa na dele, a seguir docemente seu caminho. Tinha um andar elegante, principalmente quando usava sua saia plissada, um pouco rodada para o seu gosto, a sua blusa leve, uma leve maquiagem, os cabelos pretos, o brinco discreto que o penteado de corte curto no seu cabelo ondulado deixava aparecer. Tinha um jeito seguro de se aproximar de seu braço a indicar, discretamente, com a outra mão, algum lugar ou circunstância que lhe parecia interessante. Seguia com ela pelas ruas e levando aquela princesa pelas mãos, se sentia um príncipe de verdade.  Júlia, no entanto, era diferente. Tinha um jeito alegre, as calças jeans com os rasgos nos joelhos, que provocavam suas brincadeiras, ela abandonava suas mãos e abraçava suavemente pelos seus cotovelos, encostando seu rosto nos seus ombros e seguia tagarelando falando sempre de coisas interessantes que vira, ou de algum assunto do momento em que achara alguma graça. Ele ria também, e se sentia conduzido pelo abraço leve, praticamente rindo sozinho, e era uma criança que voltava no tempo.  Márcia tinha um jeito de curiosa e seu olhar se perdia pelos cartazes, pelas pessoas que passavam pela rua, e era de poucas palavras, e prestava atenção a tudo que dizia, concordando com um olhar, não com um sorriso, mas, os brilhos dos olhos demonstravam todo seu afeto. Andando com ela era o centro das atenções, e se julgava o dono do mundo.  Somente as mãos podem dizer tudo o que somos. Na maneira de suar, de sentir calafrios, sentir o leve toque, como de alguém esperado que anuncia sua chegada, bem antes de o rosto aparecer.  Mas, de todas as lembranças que podia recorrer, não era de mãos que se lembrava, mas era quando Ludmila surgiu no meio de uma multidão, se aproximando devagarinho, tentando surpreendê-lo, quando esperava no ponto de encontro. Daquela namorada não era o toque suave dos dedos, mas, o olhar brilhante que se iluminava quando, descoberta, antes da travessura, era com os lábios anunciando rindo quando os olhos achavam o que o seu coração procurava.
Crônica por Nilson Lattari O seu estilo era de namorar, desse estilo de andar de mãos dadas pelas ruas. E as lembranças que tinha das namoradas era a forma como as mãos se davam na caminhada. E, no entanto, não era disso o que mais recordava. Enquanto se debruçava na janela, lembrava de Mariana, com seu jeito de princesa, deixando sua mão leve presa na dele, a seguir docemente seu caminho. Tinha um andar elegante, principalmente quando usava sua saia plissada, um pouco rodada para o seu gosto, a sua blusa leve, uma leve maquiagem, os cabelos pretos, o brinco discreto que o penteado de corte curto no seu cabelo ondulado deixava aparecer. Tinha um jeito seguro de se aproximar de seu braço a indicar, discretamente, com a outra mão, algum lugar ou circunstância que lhe parecia interessante. Seguia com ela pelas ruas e levando aquela princesa pelas mãos, se sentia um príncipe de verdade. Júlia, no entanto, era diferente. Tinha um jeito alegre, as calças jeans com os rasgos nos joelhos, que provocavam suas brincadeiras, ela abandonava suas mãos e abraçava suavemente pelos seus cotovelos, encostando seu rosto nos seus ombros e seguia tagarelando falando sempre de coisas interessantes que vira, ou de algum assunto do momento em que achara alguma graça. Ele ria também, e se sentia conduzido pelo abraço leve, praticamente rindo sozinho, e era uma criança que voltava no tempo. Márcia tinha um jeito de curiosa e seu olhar se perdia pelos cartazes, pelas pessoas que passavam pela rua, e era de poucas palavras, e prestava atenção a tudo que dizia, concordando com um olhar, não com um sorriso, mas, os brilhos dos olhos demonstravam todo seu afeto. Andando com ela era o centro das atenções, e se julgava o dono do mundo. Somente as mãos podem dizer tudo o que somos. Na maneira de suar, de sentir calafrios, sentir o leve toque, como de alguém esperado que anuncia sua chegada, bem antes de o rosto aparecer. Mas, de todas as lembranças que podia recorrer, não era de mãos que se lembrava, mas era quando Ludmila surgiu no meio de uma multidão, se aproximando devagarinho, tentando surpreendê-lo, quando esperava no ponto de encontro. Daquela namorada não era o toque suave dos dedos, mas, o olhar brilhante que se iluminava quando, descoberta, antes da travessura, era com os lábios anunciando rindo quando os olhos achavam o que o seu coração procurava.

Crônica por Nilson Lattari

O seu estilo era de namorar, desse estilo de andar de mãos dadas pelas ruas. E as lembranças que tinha das namoradas era a forma como as mãos se davam na caminhada. E, no entanto, não era disso o que mais recordava.

Enquanto se debruçava na janela, lembrava de Mariana, com seu jeito de princesa, deixando sua mão leve presa na dele, a seguir docemente seu caminho. Tinha um andar elegante, principalmente quando usava sua saia plissada, um pouco rodada para o seu gosto, a sua blusa leve, uma leve maquiagem, os cabelos pretos, o brinco discreto que o penteado de corte curto no seu cabelo ondulado deixava aparecer. Tinha um jeito seguro de se aproximar de seu braço a indicar, discretamente, com a outra mão, algum lugar ou circunstância que lhe parecia interessante. Seguia com ela pelas ruas e levando aquela princesa pelas mãos, se sentia um príncipe de verdade.

Júlia, no entanto, era diferente. Tinha um jeito alegre, as calças jeans com os rasgos nos joelhos, que provocavam suas brincadeiras, ela abandonava suas mãos e abraçava suavemente pelos seus cotovelos, encostando seu rosto nos seus ombros e seguia tagarelando falando sempre de coisas interessantes que vira, ou de algum assunto do momento em que achara alguma graça. Ele ria também, e se sentia conduzido pelo abraço leve, praticamente rindo sozinho, e era uma criança que voltava no tempo.

Márcia tinha um jeito de curiosa e seu olhar se perdia pelos cartazes, pelas pessoas que passavam pela rua, e era de poucas palavras, e prestava atenção a tudo que dizia, concordando com um olhar, não com um sorriso, mas, os brilhos dos olhos demonstravam todo seu afeto. Andando com ela era o centro das atenções, e se julgava o dono do mundo.

Somente as mãos podem dizer tudo o que somos. Na maneira de suar, de sentir calafrios, sentir o leve toque, como de alguém esperado que anuncia sua chegada, bem antes de o rosto aparecer.

Mas, de todas as lembranças que podia recorrer, não era de mãos que se lembrava, mas era quando Ludmila surgiu no meio de uma multidão, se aproximando devagarinho, tentando surpreendê-lo, quando esperava no ponto de encontro. Daquela namorada não era o toque suave dos dedos, mas, o olhar brilhante que se iluminava quando, descoberta, antes da travessura, era com os lábios anunciando rindo quando os olhos achavam o que o seu coração procurava.

 

B-52s celebra 40 anos com show no Broward Center

Ago/29 - B-52s celebra 40 anos com show no Broward Center

Com mais de 20 milhões de álbuns vendidos, a banda B-52s…
A seleção do Brasil enfrentará a Colômbia em setembro em Miami

Set/06 - A seleção do Brasil enfrentará a Colômbia em setembro em Miami

O primeiro amistoso da Seleção Brasileira após a disputa da…
ArtsLaunch

Set/07 - Espetaculo ArtsLaunch

O ArtsLaunch é o maior evento comunitário gratuito em Miami…
O Poder da Autoestima com Erika Guarnieri

Set/07 - Workshop O Poder da Autoestima

O que: Workshop O Poder da Autoestima com Erika…

Videos

CLIQUE NA IMAGEM PARA ABRIR O VÍDEO

 

Karmel Bortoleti

Making of do ensaio fotográfico de Karmel Bortoleti para a editoria fashion da edição de abril de 2017 da Acontece Magazine


Ensaio fotográfico do ator Caio Castro em Miami para a Acontece Magazine de agosto de 2017

Ensaio fotográfico do ator Caio Castro em Miami para a Acontece Magazine de agosto de 2017


Vera Viel posa com tema náutico para a Acontece Magazine em Miami

Vera Viel posa com tema náutico para a Acontece Magazine em Miami


Ensaio Fotográfico

Ensaio fotográfico com as modelos Cate Chant e Flavianny Nassimbeni para a editoria Fashion da edição de maio de 2016 da Acontece Magazine por Gerardo Gomez


Making Of Abril 2016

Ensaio fotográfico com Karmel Bortoleti para a editoria Fashion da edição de abril de 2016 da Acontece Magazine por Gerardo Gomez


Ensaio fotográfico para a editoria Fashion da edição de março

Ensaio fotográfico para a editoria Fashion da edição de março de 2016 da Acontece Magazine por Gerardo Gomez


Acontece Magazine - Making of - Karina Bacchi - March 2016

Acontece Magazine - Making of - Karina Bacchi - March 2016


Ensaio Fotográfico

Ensaio fotográfico para a editoria Fashion da edição de fevereiro de 2016 da Acontece Magazine


Making Of Janeiro 2016

Making of do ensaio fotográfico para a capa e a editoria fashion da edição de janeiro de 2016 da Acontece Magazine com a participação da modelo Andrea Méndes Arroio


Making Of Dezembro

Acontece Magazine Making of de Dezembro 2015




Our website is protected by DMC Firewall!